*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

domingo, 8 de abril de 2012

Artigos contra o AO90 (Parte 3)

«O cumprimento da lei visto por Gabriela Canavilhas», «Acordo ortográfico? Mas qual deles? Ou você ainda julga que existe apenas um acordo?», «Os 20 anos que Henrique Monteiro não viu» e «A impunidade do acordo ortográfico», João Roque Dias; «Contra o Acordo Ortográfico – O que não interessaUm texto inconsistenteNão há uniformização ortográficaNão há uniformização da escritaAs chamadas consoantes mudasMais homografiasImplicações pedagógicasUma espécie de conclusão», «O entusiasmo de Henrique Monteiro» e «A gaguez de Francisco José Viegas», António Fernando Nabais; «E “tão-me a charengar” é português?», Ana Cristina Leonardo; «Desacordo ortográfico» e «Contra a lógica do “porque sim”», Pedro Correia; «O chamado “novo acordo ortográfico” – Um descaso político e jurídico», Francisco Ferreira de Almeida e José de Faria Costa; «Uma lança de África» e «Pois é – Antes fosse mentira», Nuno Pacheco; «Sobre o Acordo Ortográfico», José Gil; «ilcao cedilha net», Manuel Luís Bragança; «O que Helena Topa ou Não Topa», Ivo Rafael Silva; «Nós, os “teimosos”», Carlos do Carmo Carapinha; «Questões do Estado de Direito» e «A opção», Vasco Graça Moura; «Não ao acordo ortográfico» e «O desacordo ortográfico», Luís Menezes Leitão; «O impossível acordo», António Guerreiro; «O AO90 está em vigor? Onde?», Paulo Jorge Assunção; «O acordo ortográfico da nossa desunião (1ª Parte/2ª Parte)», António Viriato; «Dermatologia e resistência silenciosa», Francisco Miguel Valada; «Eterno desacordo», Pedro Lomba; «Da presuntiva artificialidade da ortografia», António Emiliano; «Cor-de-rosa laranja», Rui Cardoso Martins; «Um caso de revisionismo de conveniência», Ana Isabel Buescu, Helena Carvalhão Buescu e Jorge Buescu; «O resultado imprevisto do Acordo Ortográfico», Miguel Madeira; «Reescrever a História (1ª Parte/2ª Parte/3ª Parte)», João Pedro Graça; «O Accordo Ortographico», Rui Ramos; «Um golpe dos “patrões” da Língua», Cândido Lince; «A conspiração ortográfica», Manuel António Pina; «Pelo Inglês como idioma oficial de Portugal», João Campos; «Acordo ortográfico e bocejo…», José Alberto Quaresma; «A desmontagem do “facto consumado”», Teresa R. Cadete.      

Sem comentários: