*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Macau - Reúne artes da China e dos oito países lusófonos

Vhils e Pauline Foessel são os curadores da exposição de artes visuais enquadrada no Encontro em Macau – Festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa, que se inaugura a 8 de Julho. O programa do evento revela uma mostra de fôlego com grande enfoque nas artes visuais e de rua, de 27 artistas emergentes e consagrados dos oito países lusófonos, assim como de Macau, Hong Kong e China continental.



O artista urbano Alexandre Farto, que assina as suas obras com o nome Vhils, e Pauline Foessel, directora da Galeria Underdogs, em Lisboa, são os curadores da exposição de arte integrada no Encontro em Macau – Festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa, organizado pelo Instituto Cultural da RAEM. O trabalho de 27 artistas dos oito países de língua portuguesa, de Macau, Hong Kong e China continental, vai ser apresentado entre 8 de Julho e 9 de Setembro de 2018, em espaços de exposição espalhados pela cidade. O programa do evento revela uma mostra de fôlego com grande enfoque nas artes visuais e urbana, dividida por seis exposições, incluindo instalações de arte de rua, que exploram as dimensões do conceito de “Alter Ego”.

“O conceito da exposição é criar um diálogo entre a China e os países de língua portuguesa, para mostrar que há muitas diferenças, mas muitas semelhanças também”, explicou ao Ponto Final Pauline Foessel, a partir de Lisboa.



O diálogo faz-se entre artistas já bem estabelecidos na cena artística internacional, como o moçambicano Gonçalo Mabunda, que já expôs um pouco por todo o mundo as suas esculturas feitas a partir de desperdícios de armamento militar, o português Vhils ou o chinês Zhang Dali, e artistas emergentes, como a portuguesa Wasted Rita e o brasileiro Guilherme Gafi.

“Penso que é um diálogo muito interessante entre os artistas, sobre tópicos que os preocupam, de certa forma, somos todos seres-humanos, temos que interagir uns com os outros, todos temos linguagens, choques culturais, a globalização afecta-nos, todos os artistas vêm de lugares muito diferentes, mas partilham as mesmas preocupações. Essa foi a ideia desde o início, criar um diálogo entre artistas chineses, macaenses, de Hong Kong, e países de língua portuguesa”, salientou a curadora.

Conhecer-me a mim, para poder conhecer o outro

Cada uma das seis exposições, dentro do tema central ‘Alter Ego’, funciona como um conceito independente, reunindo as obras e perspectivas de artistas diferentes, adiciona a directora da plataforma de arte fundada por Alexandre Farto.



A primeira exposição, “The Self”, “explora a consciência do eu e o seu papel na nossa capacidade de interagir com o que nos rodeia, preciso de me conhecer a mim para poder conhecer o outro”, explicou a curadora. Nesta exposição, programada para o Museu de Macau, as instalações da dupla de Macau, João Ó e Rita Machado, vão conviver em termos de conceito com os diários fotográficos do são-tomense Herberto Smith, as estruturas em papel do chinês Li Hongbo, as fotografias de interiores e detalhes do quotidiano do moçambicano Mauro Pinto, a instalação de luz de Vhils ou os retratos íntimos do director de fotografia de Hong Kong Wing Shya.



A segunda exposição, “The Other” (“O Outro”), expressa “como precisamos do outro para existir e como isso impacta a maneira como vemos e nos percebemos a nós mesmos”. Nesta sequência, no Edifício do Antigo Tribunal, cruza-se o trabalho de auto-retrato do guineense Abdel Queta Tavares, as esculturas em papel da artista de Macau Ann Hoi, e o trabalho do artista urbano cabo-verdiano Fidel Évora (1984). Nesta secção, destaca-se também a obra do trio de artistas que chega de Timor-Leste, Tony Amaral e Xisto Soares, timorenses que trabalham em diálogo com o português Ricardo Gritto. A sequência completa-se com o trabalho de intervenção urbana do consagrado artista chinês Zhang Dali, e do pintor Yiu Chi Leung, de Hong Kong.

Somos diferentes, mas fundamentalmente o mesmo

A terceira parte da série, “From Language to Travel”, centra-se “na comunicação e nas experiências imersivas das viagens, explorando a ideia das linguagens mutuamente compreendidas, orais, visuais ou outras, que permitem estabelecer relacionamentos e, daí, o interesse pela viagem para conhecer a cultura do outro”. Esta secção, instalada na galeria do Tap Seac, é preenchida pelas obras de instalação do brasileiro Marcelo Cidade e de colagem do angolano Yonamine.

A quarta parte, “Culture Clash”, ou “Choque Cultural”, gira em torno do contraste entre a falta de comunicação e as barreiras criadas por diferentes origens e experiências culturais. Vai juntar o moçambicano Gonçalo Mabunda, os angolanos Kiluanji Kia Henda e Nastio e o português Miguel Januário.



A quinta exposição, “Globalização”, amplia o espectro de análise, “analisando o conceito de interacção entre pessoas e entidades maiores e os intercâmbios que ocorrem num mundo cada vez mais interligado”. Nas Casas da Taipa vão estar representados os trabalhos da portuguesa Wasted Rita e do brasileiro Guilherme Gafi.

A parte final da sequência, “Alter Ego”, conclui o processo com uma incursão no entendimento de que, embora todos pareçamos diferentes, também somos todos fundamentalmente o mesmo. Francisco Vidal, nascido em Portugal, mas que tem Angola como tema de trabalho, é o artista em destaque nesta secção.

A exposição completa-se com as instalações urbanas em bambu de João Ó e Rita Machado e do português Add Fuel, conhecido pelo trabalho de arte pública com inspiração no azulejo. Cláudia Aranda – Macau in “Ponto Final”

1 comentário:

Portugalredecouvertes disse...

gostei muito !
assim deveria ser a lusofonia :)
dar voz e espaço a todos para que a cultura beneficie da amizade dos povos, e seja exposta lado a lado:)