*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Desertar de Ceuta

É ilusão minha ou a passagem dos 600 anos da conquista de Ceuta, a 21 de Agosto último, não mereceu mesmo - antes, durante e depois - qualquer referência, qualquer declaração oficial, por parte do Estado português?
A efeméride foi, sem dúvida, amplamente assinalada na, e pela, «sociedade civil». Não faltaram peças na comunicação social (rádio, televisão e imprensa), e nesta há que destacar um artigo de João Paulo Oliveira e Costa no Observador que, significativamente, relaciona a tomada da praça africana com a morte de Afonso de Albuquerque um século depois - um acontecimento que vai motivar, em Dezembro deste ano, e como já anunciei, uma iniciativa específica por mim delineada. Também as alusões se sucederam na blogosfera, e nesta há que destacara série de textos escritos e publicados por João Ferreira do Amaral no 31 da Armada
Porém, da parte das instituições públicas portuguesas, nada. Silêncio total. Nenhuma menção pela Presidência da República e pela Presidência do Conselho de Ministros, por ministérios ou secretarias de Estado, enfim, pelo governo, pessoalmente ou pelos seus sítios na Internet. Não é de surpreender que, em Ceuta, o respectivo executivo autárquico, e ao contrário do que aparentemente chegou a prometer, nenhum evento comemorativo tenha realizado - houve uma «recepção» a visitantes portugueses que lá se deslocaram propositadamente, mas pouco mais; afinal, de Espanha nunca houve nem nunca haverá qualquer interesse em enaltecer os feitos históricos, civis e militares, de Portugal, além de que se receou - o que é ridículo - ofender a população muçulmana local. No entanto, custa a entender a relutância em recordar e em festejar, pelos poderes estatais nacionais, uma das datas mais importantes da nossa História, em que ocorreu o facto que deu efectivamente início à época mais gloriosa desta nação, o dos Descobrimentos. Tal ter-se-à devido a ser em Agosto, e, logo, por mais pessoas estarem a gozar as férias de Verão?
Não, evidentemente. O que está em causa é a vergonha, sentida por alguns, do nosso passado... menos próximo. Este «absentismo», esta autêntica deserção em relação a certos momentos cronológicos não é de agora, e notou-se também, por exemplo, na quase inexistente evocação oficial das sucessivas efemérides (batalhas) da Guerra Peninsular, isto é, das invasões francesas pelos exércitos de Napoleão Bonaparte no início do século XIX... practicamente ao mesmo tempo que se assinalava dispendiosa, efusiva e propagandisticamente o golpe de Estado que em 5 de Outubro de 1910 instaurou a república, e, logo, derrubou a democracia e instalou a ditadura. Notou-se igualmente na abolição do feriado oficial do 1º de Dezembro. Como já se verificou - e se verifica - em outras ocasiões e em outros assuntos, e apesar do que os separa, é muito o que aproxima o PS do PSD e do CDS. Em qualquer dos casos, sempre em prejuízo de Portugal.

Sem comentários: