*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Por um novo partido

Hoje assinala-se o quinto aniversário do lançamento da Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico, que eu apoio e com a qual colaboro quase desde o seu início – aliás, eu sou contra qualquer «(des)acordo ortográfico», ou «aborto pornortográfico», desde que tomei conhecimento pela primeira vez de tal absurdo conceito, isto é, desde talvez 1986. Considerando igualmente tudo o que aconteceu neste âmbito até agora, esta é, pois, a data apropriada para anunciar e para começar uma nova fase deste movimento: a formação de um novo partido político, um projecto no qual eu estou disponível para participar. Os fundamentos desta decisão estão expressos num manifesto escrito por João Pedro Graça e hoje publicado no sítio da ILCAO.  

5 comentários:

ICE disse...

Infelizmente, a ILC já não interessa a ninguém. Cristalizou-se, adoptou uma posição arrogante e de sobranceria, alimentou egos de gente pouco sensata e tornou-se uma excrescência. Envergonha qualquer opositor ao AO.

OCTÁVIO DOS SANTOS disse...

Desafio quem se apresenta como «ICE» a identificar-se, a abandonar o anonimato, de modo a, se tiver coragem para tanto, participar numa discussão séria e talvez construtiva. Se não o fizer, a única «excrescência» aqui será ele(a) próprio(a).

JPG disse...

E se o fizer também.

ICE disse...

Nada do que disserem altera a inutilidade da ILC. Tanto Octávio quanto João Pedro Graça são as duas faces egotistas e arrogantes de uma iniciativa meritória que morreu precisamente devido a quem a dirige. Afastaram toda a gente, já repararam? Os números foram a gota de água. Tenham a hombridade de aceitar que falharam devido às vossas necessidades de protagonismo. Triste, muito triste.

OCTÁVIO DOS SANTOS disse...

Não surpreende que quem persiste em manter o anonimato, e deste lança insinuações e insultos, considere que outros que, pelo contrário, dão a cara pelas suas posições (e que sofrem as consequências disso), são «arrogantes», «egotistas» e têm «necessidades de protagonismo». Um(a) cobarde a acusar-nos de não ter «hombridade»... é para rir. Enfim, nada de novo: são os (maus) hábitos de conformismo e de delação que, infelizmente, ainda são predominantes em Portugal e que explicam como é que algo tão absurdo como o AO90 pôde ser implementado em tão larga escala.