*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Retoma de ligações aéreas a Bissau em avaliação

Portugal vai contactar as novas autoridades da Guiné-Bissau a fim de verificar se estão reunidas as condições de segurança para retomar os voos entre Lisboa e Bissau, anunciou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros no parlamento.

«Iremos iniciar os contactos com as novas autoridades guineenses logo que estas sejam empossadas. Teremos de verificar se estão asseguradas as condições de segurança no aeroporto de Bissau, para que episódios como o de 10 de dezembro não voltem a ocorrer», afirmou o ministro Rui Machete, durante uma audição na comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades.
Os voos da TAP entre as capitais dos dois países foram interrompidos depois do embarque forçado de passageiros ilegais, em Bissau.
«As autoridades de facto nunca nos deram tais garantias», referiu o governante, que acrescentou que uma vez asseguradas as condições de segurança, «caberá depois às companhias a decisão de operar a rota».
Neste caso, a TAP «terá depois de analisar e ponderar as necessárias questões operacionais».
A Guiné-Bissau terminou domingo passado um ciclo eleitoral em que foram indicados um novo Governo e um novo Presidente da República, depois de dois anos de um executivo de transição, na sequência de um golpe de Estado militar.
O ministro reiterou que as eleições foram «um sucesso, perante as difíceis circunstâncias em que se realizaram».
«A vitória do partido derrubado pelo golpe de Estado de 2012 demonstra o claro repúdio da população relativamente ao golpe, aos seus objetivos e aos seus autores. E a exígua votação alcançada pelos representantes das autoridades de transição confirma o que Portugal, a União Europeia e a CLPL [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa] sempre afirmaram sobre a sua falta de representatividade e legitimidade».
Para Rui Machete, as eleições marcam «um definitivo virar de página na instabilidade crónica» dos últimos anos em Bissau.
O chefe da diplomacia portuguesa defendeu que Portugal e a União Europeia «confirmarão o seu papel tradicional de principais parceiros da Guiné-Bissau, apoiando técnica e financeiramente a implementação das reformas», que deverão visar a segurança, o reforço do Estado de Direito e combate à impunidade e a reforma da administração.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: