*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sexta-feira, 28 de março de 2014

Investigadora portuguesa desenvolve base de dados com terminologia científica na CPLP

A linguista portuguesa Teresa Lino está a desenvolver uma base de dados de termos do quotidiano e científicos de países de língua portuguesa, que será disponibilizada gratuitamente na Internet, disse nesta quinta-feira (27/03) à Lusa a própria investigadora.

Segundo Teresa Lino, "a ideia é criar recursos de neologia da língua corrente de todos os dias, mas também neologia e terminologias científicas e técnicas não só de Portugal, mas também com as variantes da língua portuguesa dos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa)".

Utilizando um programa informático apropriado para o tratamento de textos, a equipa liderada pela investigadora da Universidade Nova de Lisboa faz a recolha, tratamento de termos usados em diferentes contextos científicos, o que, no final, possibilitará que profissionais do ramo percebam em que contextos são aplicados.

"Mesmo na área da medicina, há plantas medicinais, a medicina tradicional e inclusivamente existem termos médicos associados a doenças, patologias, mais características de determinadas zonas africanas, que não existem necessariamente aqui na Europa", exemplificou.

Em declarações à Lusa, Teresa Lino anunciou que, em abril do próximo ano, Moçambique vai organizar um colóquio sobre neologia da língua portuguesa em Moçambique e a terminologia usada especificamente em Moçambique, evento organizado por uma linguista moçambicana que integra o projeto.

"Existe necessidade de levantamento de terminologias associadas, por exemplo, às pescas, à oceanografia, agricultura, que são realidades muito diferentes das da portuguesa", afirmou Teresa Lino.

O projeto, que está a ser desenvolvido por centros de pesquisa de linguística de universidades da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, está em vários estádios e não existe uma data para terminar.

"O Brasil está mais avançado na área da neologia da língua corrente, mas na neologia científica também não está muito", enquanto em Angola "há mais trabalho na área de medicina" e estão a ser dados os primeiros passos na área de neologia da língua corrente, comparou a pesquisadora.

"Temos que esperar mais um ou dois anos para que tenhamos mais trabalho produzido nesta área, mas há forte sensibilidade para a recolha da neologia que vai surgindo. A língua também está a evoluir rapidamente em contacto também com as línguas nacionais, portanto, há uma forte necessidade de registo de neologismos que vão aparecendo", acrescentou.

Mas a ideia não é uniformizar nem os neologismos, nem a terminologia científica, avisou a docente de linguística, justificando que "nem sempre a uniformização é boa".

"Os termos de medicina não são os mesmos de país para país. Às vezes, o conceito não é exatamente o mesmo e é entendido de maneiras diferentes em Cabo Verde, Angola, Moçambique, tal é o caso concreto de termos médicos na área da medicina tropical, da malária, tuberculose", sublinhou.

Contudo, frisou, "é importante ter (a base de dados) disponível para o grande público".

"Existem muitos termos que não estão suficientemente levantados, nem conhecidos, nem sistematizados em glossários, ou dicionários ou em bases de dados que possam disponibilizar na internet, portanto, há realmente muito trabalho a fazer em todos os países de língua portuguesa", referiu.

Sem comentários: