*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

domingo, 8 de setembro de 2013

Contra o AO90 (Parte 8)

«Ainda a edição de Vieira e o Acordo Ortográfico» e «Ninguém sabe dizer nada», Vasco Graça Moura; «Maioria dos portugueses é contra o acordo ortográfico», Barroso da Fonte; «O acordo ortográfico e os problemas de saneamento», «Deixem estar a ortografia descansada», «O Expresso emigrou», «O mundo encantado das edições únicas», «Grafias duplas e uniformização ortográfica», «As duplas grafias como falsa questão», «Editora Leya confirma inutilidade do acordo ortográfico» e «Imagens do caos ortográfico», António Fernando Nabais; «Chinesices, princípios e valores», João Roque Dias; «Tempo de trabalhar mais e perguntar menos», Rocío Ramos; «O nosso maior trunfo», Rui Valente; «Números, 04-13», «É a “adoção» por “entendimento geral”, estúpido!», «”Deeds, not words” (ou “palavras leva-as o vento”)» e «Vox Populi», João Pedro Graça; «Porquê a ILCAO90?», Hermínia Castro; «Carta ao Círculo de Leitores», «”Nublosa”, ou ignorância crassa da língua pátria» e «Pessoas e coisas que eu não entendo – Vasco GraçaMoura/Carlos Reis», António Marques; «Eppur si muove», «A coisa vista de fora» e «Tempus fugit», Graça Maciel Costa; «A nossa língua não precisa de engenharias computorizadas», Teresa Cadete; «Vamos a “Pârich”? Ou a “Páriss”?», «A língua ameaçada e os “corretores” ameaçadores», «Primeiro Ato (e depois desato?)» e «Lincoln, Brasil e o acordo estabanado», Nuno Pacheco; «Não foi notícia mas devia ser», «Espero que gostem», «Com todas as vogais e consoantes», «O que torto nasce nunca se endireita» e «Até já mandam a fonética às urtigas», Pedro Correia; «Um acto de verticalidade e de grandeza», Ana Isabel Buescu; «Telespectador? Telespetador? Depende», «Não há tradução para português e não se fala mais nisso», «Teoria geral da adopção facultativa», «O presidente da República e o discurso de Fação», «A CPLP e Maio. E o Keynes?», «O acordo ortográfico não está em vigor coisíssima nenhuma», «Sou contra a co-adoção de crianças por casais do mesmo sexo», «A prosa de Paulo Portas embotada pelo Expresso», «Nuno Crato e a unidade da língua portuguesa», «Acordo Cacográfico da Língua Portuguesa de 1990», «Duas ou três coisas sobre os fatos do Acordo Ortográfico de 1990», «Acerca dos fatos, só mais uma ou outra coisa» e «A saga dispensável e a hipocrisia ortográfica», Francisco Miguel Valada; «Ideia certa numa grafia errada» e «Pela palavra», João Gonçalves; «Como desperdiçar clientes em tempo de crise (2)», José António Abreu; «O aleijão», Pedro Mexia; «Wordpress em Português, sem Acordo Ortográfico», José Fontainhas; «O Desacordo», Helena Sacadura Cabral; «O acordo ortográfico do nosso descontentamento» e «Então o acordo serve para quê, afinal?», Ana Cristina Leonardo; «O aborto ortográfico», João Pereira Coutinho; «O espetro do acordo ortográfico», José Pimentel Teixeira; «Desliguem a máquina!», António de Macedo; «Acordo ortográfico – Um mau passo», Mário de Carvalho; «Sobre a XI Cimeira Brasil-Portugal de 10 de junho, perdão Junho», Luís Canau; «Juiz Rui Teixeira proíbe acordo ortográfico», Fernando Tavares; «A vingança ortográfica serve-se gelada», Fernando Venâncio; «Professores de Tróia», Maria do Rosário Pedreira; «O acordo do desacordo», Inez Andrade Paes; «Acordo ortográfico», Michael Seufert; «E é escrever assim, desacordadamente (continuação)», José Morgado; «O fim da nova ortografia?», Desidério Murcho; «Se eles não pararem…» e «Resistir», Cristina Ribeiro; «Desabafo contra o acordo», Omar Dammous; «Comentário ao Relatório do “Grupo de Trabalho de Acompanhamento da Aplicação do Acordo Ortográfico”, de 30 de Junho de 2013», Ivo Miguel Barroso.

Sem comentários: