*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

domingo, 13 de maio de 2012

A força e a técnica

A pergunta justificava-se: «se», «quando», «como» e com «quem» iriam reagir os cultistas do AO90 ao crescimento avassalador de intervenções públicas, impressas e não só, contra o dito cujo? O «se» concretizou-se «quando» Vasco Graça Moura ordenou que no Centro Cultural de Belém se deixasse de usar a «ortografia» desviante – custa-lhes a crer que existam pessoas que tenham a coragem de passar das palavras… aos aCtos. «Como»? Recorrendo, contra a força da técnica… à técnica da força. «Quem»? Entre «lacraus» por convicção e «lacaios» por obrigação, não mais do que os «suspeitos do costume»…
… O mesmo é dizer, os «cadáveres adiados» do «só-cretinismo». Que saudades de António Guterres, com quem pelo menos havia um mínimo de dignidade e de honra – com ele nenhuma «causa fracturante» se concretizou, linguística ou outra! Por ter questionado (tardiamente…) o AO90, Francisco Assis talvez mereça alguma tolerância. Mas muitos dos seus «camaradas» não. Nomeadamente: João Tiago Silveira, para quem o presidente de uma fundação criada pelo Estado, nomeado pelo Governo, teve «atitudes terroristas» ao «desrespeitar impunemente as opções legítimas e democráticas do Estado português» - pois, só que essas opções não foram nem legítimas nem democráticas…; Augusto Santos Silva, para quem Vasco Graça Moura tornou o CCB num «instrumento da sua luta pessoal» - algo que não deveria indignar quem tanto gosta de «malhar na direita». E há o inevitável Francisco Seixas da Costa, que, incorrigível, aparentemente não satisfeito com os «correctivos» que já lhe apliquei anteriormente (sobre bandeiras nacionais e sobre artigos em jornais), reincidiu, desta vez verberando uma suposta «brigada do asterisco» (percebem? É uma alusão à «brigada do reumático» salazarista… tão espirituoso, o Chico!) que, liderada por VGM, insiste em escrever os seus artigos «segundo a antiga ortografia» - só que o Sr. Embaixador em França parece «esquecer-se» de que os asteriscos são colocados, quais «estrelas de David» nos braços dos «inferiores», não pelos próprios mas sim pelos «guardas dos guetos» linguísticos que são todos os «acordistas» colaboracionistas… aliás, ele próprio deveria usar um, porque admitiu no seu próprio blog que não gosta deste AO porque «está cheio de incongruências, tem soluções menos boas e induz, por vezes, à confusão», mas que, porém, «como cidadão, sendo o Acordo uma lei da República, acho que devo cumpri-la, goste dela ou não»! Ah, «valente»! Só faltou acrescentar «a bem da Nação»! Parece que «temos» homem! Ou será que é «omem»?
No entanto, e na verdade, não é só no PS que se encontram apologistas da anormalidade ortográfica. É extremamente deprimente, penoso, triste, ler Pedro Santana Lopes criticar Vasco Graça Moura e lembrar (com orgulho?) que Aníbal Cavaco Silva o incumbiu de negociar e de assinar o AO para que «o português falado em Portugal não ficasse com um estatuto equivalente ao do latim.» Como é possível que, decorridos mais de 20 anos, e depois de várias demonstrações de deslealdade e de desprezo que recebeu do boliqueimense, Santana ainda lhe mostre qualquer tipo de fidelidade? Entretanto, ele ainda não escreve os seus textos com a nova grafia «porque ainda não o decidi fazer». Eu digo – e disse-lhe, no seu blog – que não o faz porque sabe que se enganou, e desafiei-o a admitir isso mesmo.
Não nos devemos surpreender (muito) que, da parte de (alguns) políticos, pessoas sem carácter e sem escrúpulos, haja sempre disponibilidade para defenderem o indefensável e dizerem e fazerem o que lhes mandam. «Coitados», não é defeito mas sim feitio! Mais grave, muito mais grave, é que o mesmo comportamento seja tido por elementos de outras profissões que deveriam estar nas primeiras linhas da frente da batalha contra o totalitarismo cultural, o fascismo linguístico e o neo-colonialismo ortográfico (o AO90 também surgiu como reacção às independências dos PALOP e às prováveis «derivas alfabéticas» daqueles). Como os jornalistas e os professores.
De entre os primeiros destacam-se, enquanto defensores da ignomínia e da infâmia linguísticas, Paulo Querido, José Carlos de Vasconcelos e Henrique Monteiro. O ex-director do Expresso, aliás, é o autor de um dos mais vergonhosos artigos de que há memória sobre este assunto (e não só) publicados na imprensa portuguesa, e em que não só se queixou de que «duas décadas depois de concluído, quatro anos depois de aprovado por ampla maioria no Parlamento, milhões de euros de investimentos depois, renasce a ofensiva contra o Acordo Ortográfico», e nessa «ofensiva» há «muita teimosia e alguma ignorância», como ainda declarou que «não aceito que uma lei discutida durante mais de 20 anos seja constantemente colocada em causa»! Por outras palavras, para aqueles que não perceberam: ele, «jornalista», recusa-se a considerar válida uma opinião contrária à dele, e que é partilhada pela maioria da população – isto é, uma maioria de potenciais leitores – de uma forma consistente há mais de duas décadas. Duas hipóteses: é o Monteiro uma desgraça para a profissão… ou enganou-se na vocação? Provavelmente, as duas são verdadeiras…
… Tal como o são para Edviges Ferreira, presidente da Associação de Professores de Português, e que constitui uma personificação (há outras…) da incompetência e da degenerescência que têm marcado a educação em Portugal. O facto de esta… criatura ocupar o cargo que ocupa apenas demonstra que os docentes – de português, pelo menos – não têm qualquer noção de decência. Num aspecto ela acaba por ter razão (embora não da maneira que pensa): «andam a brincar com o ensino, com os professores, com os alunos, com os pais, com toda uma comunidade.» Pois andam, e o «aborto ortográfico» é a maior «brincadeira» (de mau gosto) – e já foram tantas – de todas as que já foram feitas nas escolas nacionais. O que não espanta, porque o AO90 só podia ser uma ideia de (maus) palhaços. E a «palhaçada» não parece preocupar (muit)os professores: sempre prontos para protestarem, para se manifestarem, para fazerem greve contra o que não querem e o que não gostam nas suas avaliações, progressões e remunerações, mostram-se, em geral, bastante apáticos, colaborantes e permissivos na aplicação do AO90. Será cansaço?
Assim, e porque o tema é a aprendizagem, proceda-se a uma (breve) «revisão da matéria dada»: só neste país é que há a mania de alterar a ortografia com «data marcada» - e essa mania começou com os republicanos, que mudaram o modo de escrever tal como mudaram a bandeira e o hino, os nomes das ruas e o do bolo-rei; o AO90 não «uniformiza» a ortografia, muito pelo contrário, devido ao aumento das duplas grafias; os seus apologistas deveriam deixar de se referir ao «ph da farmácia» se não quiserem continuar a cobrir-se de ridículo – todos os anglófonos e todos os francófonos usam (e muito) o «ph» e as consoantes «mudas» e repetidas (sim, eles são tão «atrasados», «subdesenvolvidos» em relação a nós); continua por explicar a «lógica» de escrever as estações e os meses do ano com letra minúscula, e de se continuar a utilizar o «h» como primeira letra de palavras; o «acordo» enferma de grandes, graves, anomalias jurídicas, tanto ao nível interno (uma resolução não vale mais do que um decreto) como ao nível externo (se nem todos os países o ratificaram, não está em vigor), e isso já era indiscutível antes mesmo de, em bastantes tribunais portugueses, diversos juízes – indivíduos com juízo – começarem a recusar-se a aplicá-lo e a utilizá-lo; e nem no comunicado final de uma reunião dos ministros da Educação da CPLP foi utilizado, apesar de ter sido o assunto principal daquela… sem dúvida por no mesmo se reconhecer que o AO90 contém «constrangimentos e estrangulamentos»!

Sem comentários: