*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de uma centena de milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por mais de meia centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

NOVA ÁGUIA: REVISTA DE CULTURA PARA O SÉCULO XXI
http://www.novaaguia.blogspot.com
Sede Editorial: Zéfiro - Edições e Actividades Culturais, Apartado 21 (2711-953 Sintra).
Sede Institucional: MIL - Movimento Internacional Lusófono, Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa).
CONTACTO: 967044286
Desde 2008, "a única revista portuguesa de qualidade que, sem se envergonhar nem pedir desculpa, continua a reflectir sobre o pensamento português".
Outras obras promovidas pelo MIL: https://millivros.webnode.com/

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

Nenhuma direita se salvará se não for de esquerda no social e no económico; o mesmo para a esquerda, se não for de direita no histórico e no metafísico (in Caderno Três, inédito)

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo (in Cortina 1, inédito)

Agostinho da Silva

terça-feira, 1 de setembro de 2020

O teatro-tesouro de Ouro Preto


O Teatro Real do Paço da Ribeira, mais conhecido como Ópera do Tejo, foi construída(o) em Lisboa por iniciativa do Rei D. José e inaugurada em Abril de 1755, tendo sido destruída a 1 de Novembro do mesmo (fatídico) ano aquando do grande terramoto; em 2005 foram assinalados os 250 anos da sua (muito breve) existência. Neste ano de 2020 foram
celebrados os 250 da inauguração - a 6 de Junho de 1770, data do 56º aniversário do nascimento daquele Rei, e em sua homenagem – da Casa da Ópera de Vila Rica, hoje denominado Teatro Municipal de Ouro Preto. Sim, ainda existe, e, mais do que isso, foi o primeiro teatro do Brasil e é o mais antigo em funcionamento (quase ininterrupto) da América Latina.
A construção do edifício – menos volumoso e menos ostentatório, até mesmo mais discreto, do que o seu congénere e quase contemporâneo do outro lado do Atlântico – deveu-se ao militar e empreendedor português João de Souza Lisboa. Custou 16 mil cruzados e o projecto recebeu a colaboração do então governador da capitania de Minas Gerais – José Luís de Meneses, Conde de Valadares – e do seu secretário (e poeta) Cláudio Manoel da Costa. O fundador  viria a destacar e a valorizar, em carta a um amigo, ter substituído os actores (tra)vestidos de mulheres por… actrizes, nestas se incluindo, ocasionalmente, mulheres negras. Joaquim José da Silva Xavier, o «Tiradentes», terá sido um dos primeiros espectadores do teatro.       
Para comemorar esta efeméride foi editado este ano no Brasil o livro «A Casa da Ópera de Vila Rica – Ouro Preto, 1770-2020», organizado pela historiadora, musicóloga e cantora lírica Rosana Orsini Brescia e ilustrado com fotografias de Lucas Godoy. Um dos textos nele incluído intitula-se «A ópera em Portugal na segunda metade do século XVIII – Os teatros régios no tempo de D. José I» e é da autoria de Aline Gallasch-Hall de Beuvink, que, recorde-se, escreveu a obra «Ressuscitar a Ópera do Tejo – O Desvendar do Mito». (Também no Ópera do Tejo.)

Sem comentários: