*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Sem «faro» para a correcção

Não constitui novidade para alguém que acompanhe o assunto com alguma atenção que os prémios literários em Portugal constituem frequentemente motivo de interrogações, polémicas, suspeitas… Habitualmente, tal resulta da componente «atribuição», mais concretamente quando o vencedor não constitui propriamente uma surpresa, e era até algo previsível. Exemplos nesta «categoria» não faltam, e no ano passado mencionei um, relativo a um galardão a que eu também concorri e que, não surpreendentemente, não ganhei.
Porém, e embora menos frequente, a controvérsia também se verifica na (prévia) componente «organização». Neste caso, um dos exemplos mais recentes foi dado pelo Prémio Nacional de Poesia António Ramos Rosa, cujo prazo de inscrição para a sexta edição terminou no passado dia 30 de Abril. O que há, houve, de insólito nesta iniciativa da Câmara Municipal de Faro promovida «com o alto patrocínio da Fundação Millennium BCP e o apoio da Direção Regional de Cultura, Universidade do Algarve, FNAC e Tertúlia Algarvia»? «Apenas» o seguinte: apesar de ser um prémio bienal, isto é, que se realiza de dois em dois anos, só aceita livros publicados (em primeira edição) no ano anterior à sua atribuição! Ou seja, o galardão da sexta edição, que será entregue neste ano de 2017, incide unicamente sobre obras lançadas em 2016. O que significa que, por exemplo, e entre outros, o meu «Q – Poemas de uma Quimera», publicado em 2015 pelo Movimento Internacional Lusófono, não foi admitido a concurso. Tal como não o seria, e não foi, em 2015, aquando da quinta edição, que restringiu os concorrentes aos livros editados em 2014.
Dito de outra forma: as obras lançadas em anos ímpares não existem, na prática, para o Prémio Nacional de Poesia António Ramos Rosa. Trata-se de uma óbvia, inegável e injustificável, e injusta, discriminação, da qual me queixei, em sucessivos contactos por telefone e correio electrónico, para a Câmara Municipal de Faro e para a Fundação Millennium BCP, tendo igualmente solicitado a alteração, a correcção, das regras no sentido de alargar o galardão a livros editados nos dois anos anteriores. As respostas foram negativas… no que respeita a 2017. No entanto, ficou a promessa de que, «lamentando esta situação, tentaremos rever as normas para a próxima edição, que serão colocadas à consideração superior do executivo (do município algarvio), de forma a poder melhorar este que pretende ser um evento para homenagear o nosso patrono António Ramos Rosa.» Espero que sim, pois, até agora, essa «homenagem» está a ser feita a 50%.

Sem comentários: