*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sexta-feira, 14 de abril de 2017

«Segundo Ultimatum...» é hoje!

Hoje, 14 de Abril de 2017, é a data em que, em 2012, situei a «acção» do meu conto «Segundo Ultimatum Futurista», com que participei na antologia colectiva «Mensageiros das Estrelas», também concebida e co-organizada por mim, e apresentada na edição do colóquio internacional com a mesma designação, realizada naquele ano. Consistindo numa variação do famoso texto «Ultimatum futurista às gerações portuguesas do século XX», escrito por José de Almada Negreiros e por este lido a 14 de Abril de 1917 – sim, passa hoje um século! – no Teatro S. Luiz, em Lisboa, a minha narrativa representou igualmente, para além de uma (entre muitas) óbvia e mais do que merecida homenagem ao extraordinário, multifacetado, talentoso artista, também um exercício de uma espécie de «ficção científica de curto prazo», em que imaginei um Portugal diferente a apenas cinco anos de distância…
… E que se tornar(i)a numa assustadora distopia. Recupero e recordo um excerto: «Não foram só outros cidadãos europeus, pacíficos, em viagens de trabalho ou de turismo, que passaram a entrar sem qualquer burocracia, controlo e dificuldade no nosso território: também muitos criminosos, entre eles os mais audaciosos e violentos, invadiram o nosso espaço. E, a pouco e pouco, quase sem darmos por isso, as nossas cidades, vilas e aldeias, empresas, lojas e residências, foram ficando sob a ameaça ou até caindo no domínio de perigosos bandidos internacionais. Beneficiando da existência e da ineficiência de corporações policiais desmotivadas e subequipadas e de tribunais complacentes e lenientes, hordas motorizadas e blindadas vieram semear o terror por todo o país, do Algarve ao Minho, tentando roubar, sob a mira de pistolas, espingardas e metralhadoras, as cada vez menores riquezas de uma população continuamente assustada e cercada. Que, para se defender, organizou as suas próprias milícias, cuja principal preocupação é a protecção dos autocarros de transporte de crianças e de jovens estudantes, tesouros raros e alvos preferenciais dos facínoras, que se os capturarem podem pedir elevados resgates. Longe vão os bons velhos tempos em que eles se limitavam a assaltar caixas Multibanco e ourivesarias… A generalizada e permanente insegurança fez com que Portugal como que reentrasse numa nova Idade Média. Não porque se tenha verificado um retrocesso científico e tecnológico, muito pelo contrário, apesar dos constantes cortes nos abastecimentos de água, alimentos, electricidade e outros combustíveis, equipamentos e outros produtos; mas sim porque a ocupação do território se assemelha crescentemente ao da época feudal, com burgos fortificados que se constituem como autênticos oásis em extensas terras-de-ninguém… E a maior dessas terras-de-ninguém continua a ser o belo, injustiçado, maravilhoso Alentejo. Que ainda não retirou várias e visíveis vantagens do facto de o aeroporto de Beja, antes uma anedota… alentejana por causa da sua sub-utilização, ter sido transformado no astro-porto, ou cosmódromo, de Beja graças a Richard Branson e à sua Virgin Galactic, atraindo assim muitos milionários para viagens de turismo espacial. Milionários esses que têm também dinheiro suficiente para pagar a sua segurança, e as suas estadias nos hotéis e apartamentos de luxo das ilhas artificiais e a hélice do Lago Alqueva. Entretanto, e tendo também como pretexto o aumento da violência, em Portugal já não são só os arguidos, suspeitos, detidos, culpados, que têm de usar pulseiras electrónicas: todos os cidadãos a partir dos 18 anos, portadores de número de identificação fiscal, têm de o fazer! É um substituto do CU, do dito “cartão único”, o “cartão de cidadão”, que aliás já tinha um chip incorporado. ”É para o nosso bem, para a nossa segurança”, dizem os nossos governantes, “para estarmos permanentemente localizáveis e contactáveis”. E constituiu uma consequência lógica, o passo seguinte inevitável num processo de muitos anos de maior “transparência” dos cidadãos perante o Estado… mas não o inverso: afinal, se aquele tem um acesso permanente às nossas contas bancárias e declarações de rendimentos para IRS, IRC e IVA de modo a verificar se há ou não fuga ao fisco, e como forma de obtermos descontos em serviços públicos na educação, na saúde e nos transportes, no caso de aqueles rendimentos serem baixos, por que motivo não se transitaria para uma situação de monitorização e vigilância permanentes?»
Reconheço que, afinal (e felizmente!), estas previsões, embora feitas em contexto de criação literária, não se concretizaram… ainda. O meu texto pretendeu (e creio que conseguiu) ser chocante, controverso, polémico, provocatório; porém, só assim chegaria perto de honrar o antecessor criado por Almada Negreiros, que há cem anos «aterrorizou» muitas (in)consciências. Previsivelmente, a efeméride foi pretexto para um programa comemorativo, que, logicamente, tem hoje o seu momento culminante. O pintor e escritor, ilustre elemento do grupo Orpheu, continua(rá) sendo uma referência de cidadania, coragem, imaginação, iniciativa. Nunca deixará de ter interesse, nunca deixará de estar presente. E a exposição que a Fundação Calouste Gulbenkian lhe dedicou, com o título «Uma maneira de ser moderno», inaugurada a 3 de Fevereiro último e aberta até 5 de Junho próximo, é mais uma demonstração disso mesmo.

Sem comentários: