*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

domingo, 7 de agosto de 2016

MIL-Notícias, Angola...

Mortes por febre-amarela em Angola sobem para 369 desde Dezembro
 

Angola contabilizou mais 70 casos suspeitos de febre-amarela na última semana de julho, metade do registado no mesmo período anterior, e a epidemia já matou 369 pessoas desde dezembro, segundo dados divulgados hoje pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Tendo em conta o mais recente relatório daquela organização, que está a apoiar o combate à epidemia, foram contabilizados até 28 de julho 3.818 casos suspeitos de febre-amarela, contra os 3.748 da terceira semana do mês e os 3.682 registados até à semana anterior.
Desde 05 de dezembro há igualmente 369 mortes atribuídas à epidemia de febre-amarela, mais cinco casos no espaço de uma semana.
As campanhas de vacinação em Angola recorrem desde fevereiro, inicialmente apenas em Luanda, com o apoio dos militares e com ajuda financeira e técnica da OMS e da comunidade internacional, para a aquisição de vacinas.
Essas campanhas focaram-se entretanto nas zonas de fronteira com a República Democrática do Congo (RDCongo), recorda a OMS, acrescentando que próxima fase prevê a vacinação de mais três milhões de pessoas e que deverá arrancar a 16 de agosto.
No último relatório da OMS é referido que do total de casos de infetados por febre-amarela em Angola até ao final de julho, 879 foram laboratorialmente confirmados, o mesmo acontecendo com 119 dos óbitos.
A epidemia teve início em Viana, arredores de Luanda, mas as autoridades de saúde angolanas já contabilizam casos suspeitos, e com propagação local, em todas as 18 províncias do país.
De acordo com a OMS, Angola já recebeu cerca de 14 milhões de vacinas contra a febre-amarela e vacinou mais de 11 milhões de pessoas desde fevereiro, numa população-alvo estimada em 24 milhões.
Aquela organização das Nações Unidas assumiu a 19 de junho que a resposta à epidemia de febre-amarela em Angola levou pela primeira vez à rutura das reservas mundiais de emergência da vacina.
A doença já se propagou de Angola à vizinha RDCongo, que regista, segundo as últimas informações disponibilizadas à OMS, até 27 de julho, um total de 2.051 casos suspeitos e 95 vítimas mortais.
Também foram "exportados" casos para o Quénia e para a China, com a OMS a sinalizar a ameaça de propagação global da doença através de viajantes não imunizados contra a doença.
A transmissão da doença é feita pela picada do mosquito (infetado) aedes aegypti que, segundo a OMS, no início desta epidemia, estava presente em algumas zonas de Viana, Luanda, em 100% das casas.
Trata-se do mesmo mosquito responsável pela transmissão da malária, a principal causa de morte em Angola, e que se reproduz em águas paradas e na concentração de lixo, dois problemas (época das chuvas e falta de limpeza de resíduos) que afetaram a capital angolana entre agosto e maio.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: