*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sábado, 2 de janeiro de 2016

Mensagem do mais recente aderente ao MIL...

Caros Senhores:
Gostaria de aderir ao Movimento Lusófono. Já trabalhei como professor em Timor Leste, na Universidade Nacional, e estou bastante aborrecido por as televisões e meios de comunicação portuguesa não darem notícias regulares de Timor. Note-se que em Timor a RTPI e a Antena1 são vistas/ouvidas por toda a parte. Se isto não é invasão cultural vou ali já venho. Tem que haver maior divulgação da cultura timorense em Portugal. Tenho como mentor Agostinho da Silva...
 
Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência).

3 comentários:

Korsang di Melaka disse...

Caro
Aderente ao MIL.

Cheio de razão acrescento que o mesmo se passa em relação às restantes culturas dos povos e comunidades de raiz portuguesa no mundo.

Malaca, Goa, India, Indónesia, Tailândia, Austrália Ilha das Flores e outras.

Timor é sem dúvida a mais conhecida cultura do povo, dado as muitas pessoas internacionais que passaram por lá quer em cooperação quer pelo elevado turismo.

Se todos os que conhecem a realidade da cultura do povo de Timor se juntarem para numa de cidadania organizarem eventos (palestras, exposição de fotografias, filmes, reportagens etc) nas escolas, nas juntas de freguesia e noutros locais a pensar, aí sim convidar os canais da televisão para darem a saber os valores da lusofonia que Portugal levou ao mundo e permanecem como valiosos tesouros multiculturais que nos devem orgulhar e engrandecer na construção da tolerância e da fraternidade.

Um abraço fraterno

Luisa Timóteo
Presidente


Ibn Vitterbo-Meireles disse...

Faço minhas as palavras do exmo recente aderente e da exma korsang de Malaca. Estou certo que gostarão de conhecer o texto "Ser Luso" na posse do exmo Renato Epifânio. Abraço cordial. Ao vosso dispor DomLino.

virgilio disse...

Aliás não é só o caso de Timor. Também de Angola, Guiné, Moçambique, etc., pouco sabemos do que lá se passa. Mas o facto é que, certamente, pelo menos a Antena 1, portuguesa, deve ser ouvida nesses países. Não cabem responsabilidades também aos órgãos de comunicação social portugueses ?

VIRGÍLIO CARVALHO (Dr.).