*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Cabo Verde: Aumenta atividade no vulcão da ilha do Fogo

Cabo Verde: Aumenta atividade no vulcão da ilha do Fogo


Os tremores vulcânicos têm aumentado nos últimos dias no vulcão da ilha cabo-verdiana do Fogo, informou hoje um especialista, indicando, porém, que são de intensidade inferior aos registados no início da erupção.

Em declarações à Inforpress, João Fonseca, especialista na área de vulcanologia que integra a equipa do Consórcio C4G, composta por várias instituições de Portugal, nomeadamente sete universidades e três laboratórios do Estado, informou que, paralelamente aos tremores com baixa intensidade, tem-se registado a emissão de gases e alguma erupção sem emissão significativa de lavas.
"Os tremores até podem corresponder à fase final da erupção", previu o professor do Instituto Superior Técnico de Lisboa, que desde 1992 acompanha o vulcão do Fogo, referindo que "não se pode excluir também uma reviravolta na erupção e o aumento de intensidade".
Por isso, João Fonseca sublinhou que é necessário as pessoas estarem atentas e vigilantes, dada à imprevisibilidade do vulcão, que entrou em erupção no dia 23 de novembro, completando hoje 40 dias de atividade.
João Fonseca, que é também responsável pelo funcionamento dos equipamentos instalados na ilha, adiantou que os técnicos que estão a monitorizar a erupção estão atentos a estas situações e vão percorrer a costa leste do Fogo até aos Mosteiros para a recolha de dados nos vários equipamentos instalados.
Por sua vez, Para Nadir Cardoso, da equipa da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV) que está a fazer a monitorização da atividade vulcânica, afirmou que é normal a ocorrência de tremores nesta fase de erupção, indicando que, em relação aos dois últimos dias, hoje a situação encontra-se estável e as frentes do Ilhéu de Losna estão praticamente estacionárias.
A técnica indicou que o vulcão continua a emitir gases, seguida de explosões e emissão de material piroclástico, mas também de emissão de gases e de vapor de água.
A professora disse acreditar, por isso, que a atividade vulcânica caminha para o seu fim e assegurou que a medição de gases aponta neste sentido, tendo-se registado, nos últimos dias, o valor mais baixo, por volta de 1.200 toneladas de dióxido de enxofre, quando nos primeiros dias chegou às 11 mil toneladas/dia.
O vulcão entrou em erupção a 23 de novembro e os prejuízos estão avaliados em mais de 45 milhões de euros.
A população de Chã das Caldeiras, planalto que serve de base aos vários cones vulcânicos no Fogo, continua a deslocar-se diariamente para os terrenos agrícolas que não foram consumidos pela lava, estando a recolher feijão e outros produtos e a cuidar dos animais.
A erupção vulcânica já consumiu duas localidades de Chã das Caldeiras (Portela e Bangaeira) e destruiu mais de 30% dos 700 hectares de terra cultivável e várias infraestruturas, mas não provocou vítimas.
Os cerca de 1.500 habitantes das duas povoações foram retirados de Chã das Caldeiras e grande parte deles está instalada em três centros de acolhimento no norte e no sul da ilha do Fogo.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: