*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Há 20 anos, ele desapareceu

No meu artigo «Mestre, Profeta Santo», escrito e publicado em 2004 (no décimo aniversário da sua morte), e incluído no meu livro «Um Novo Portugal – Ideias de, e para, um País», eu recordei Agostinho da Silva, e de como os dez anos, entre 1984 e 1994, em que com ele convivi, coincidiram, curiosa e exactamente, com o mesmo período de tempo entre o falecimento do meu pai (em 1984) e o nascimento da minha primeira filha (em 1994). Porém, e pensando bem, existiu uma outra pessoa, cujas iniciais são também AS, cujo último apelido foi igualmente (da) Silva, que conheci e que admirei – à distância, e não pessoalmente – precisamente na mesma década: Ayrton Senna. Hoje assinala-se o vigésimo aniversário da sua morte, aquando do Grande Prémio de San Marino, no Circuito de Imola.
A primeira vez que ouvi verdadeiramente falar dele, em que o seu nome e o seu talento se destacaram decisivamente, e não só para mim, foi durante o Grande Prémio do Mónaco de 1984, a 3 de Junho – cinco meses antes de o meu pai morrer. Disputada à chuva, a prova mostrou pela primeira vez a grande aptidão de Ayrton Senna para correr naquelas difíceis condições – confirmada no ano seguinte pela sua primeira victória em Fórmula 1, no Grande Prémio de Portugal, no Estoril, novamente em piso molhado. A sua estreia no lugar mais alto do pódio podia, eventualmente, ter acontecido junto às ruas e à baía de Monte Carlo se a corrida não tivesse sido interrompida a meio após vários pedidos nesse sentido feitos por um Alain Prost que via o seu avanço sobre o brasileiro diminuir constantemente a cada volta. No entanto, tal acabou por não ser muito grave porque dos 41 triunfos de Ayrton seis foram no principado, cinco dos quais consecutivos.
A minha paixão pelo Benfica foi quase integralmente substituída pela minha devoção a Ayrton Senna. No «dia santo» o futebol era relegado para segundo plano sempre que havia automobilismo. Gritava e pulava de alegria quando ele ganhava, contorcia-me e rosnava de raiva quando ele não ganhava. Senti o seu prematuro, chocante, desaparecimento – em corpo, não em espírito – como uma tragédia quase pessoal. E procurei transmitir tudo aquilo que ele significa(va) para mim no meu poema «O elmo»: «(…) Era aos domingos que ele demonstrava a sua fé, e ao chegar à meta fazia de cada circuito uma igreja. Subia ao altar, erguia o troféu, bebia do cálice e orava, celebrando uma missa depois da motorizada peleja. (…) E no dia em que, com 34 anos, entraste para a eternidade, ninguém quis chorar porque ninguém acreditou de imediato. Visto do alto, o teu corpo, o teu carro, crucificado, imolado, como um mártir prestes a ser canonizado e santificado. Há quem diga que aquele que experimentar o teu elmo poderá ver imagens indescritíveis nunca antes sonhadas. Meu ídolo, meu irmão no idioma, que saudades eu tenho de exultar com a tua arte e a tua velocidade inultrapassadas.» 

Sem comentários: