*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Um novo partido em gestação...


O movimento de cidadão "Ideais do Centro" vai constituir-se em outubro em associação política e, fazendo das ideias fator de mudança de regime, admite a sua transformação futura em partido, foi hoje assumido em Coimbra.
"São possibilidades de intervenção", disse Jaime Ramos, médico e antigo deputado social-democrata, que hoje liderou uma conferência de imprensa do movimento.
Segundo o dinamizador, ex-governador Civil de Coimbra e antigo presidente da Câmara de Miranda do Corvo e da Administração Regional de Saúde do Centro, um partido político "não é objetivo, mas uma possibilidade" de intervenção.
"Há pessoas que defendem que o movimento deve gerar um partido. Há quem pense na possibilidade de intervenção política na eleição do Presidente da República", observou, rejeitando o patrocínio de candidaturas às eleições autárquicas, pois isso "seria envolver-se no sistema" e o que pretende "é mudar o sistema".
Questionado sobre a inserção da expressão "Centro" na designação do movimento, Jaime Ramos aludiu à sua génese do Centro de Portugal, mas também a um posicionamento político capaz de agregar contributos de Direita e de Esquerda.
"Com ideias, suficientemente radicais, para provocar a mudança do regime, que se esgotou", precisou.
O movimento "Ideais do Centro", que se assume como um "movimento político local que defende ideias nacionais e internacionais", apresenta-se com o lema de "discutir ideias, afrontar poderes, mudar o regime, salvar a democracia".
Teve a sua primeira reunião no dia 23 de julho, em Coimbra, com a participação de cerca de sete dezenas de pessoas.
Os seus promotores entendem que "Coimbra, capital do Centro, berço da Lusofonia, deve usar o seu prestígio e massa crítica para gerar um movimento cívico de mudança de regime", porque "o futuro de Portugal exige o respeito por valores e princípios que se assumam acima das táticas e estratégias de grupos económicos ou partidários".
Os "quatro ideais" estruturantes do movimento são "mais liberdade", "melhor democracia", "menor desigualdade" e "dignificar a Justiça".
As "quatro causas" são "aumentar a natalidade, apoiar as famílias, evitar o envelhecimento populacional", "evitar o despovoamento do território e as assimetrias cidades do litoral/interior", "criar riqueza, melhorar a dívida externa, resgatar a independência nacional" e "garantir um Estado forte, promotor de riqueza e com visão de longo prazo".
Para os dinamizadores, a crise atual "é, em larga medida resultado deste centralismo" que se verificou em Portugal na última década, tornando-se necessário desconcentrar e descentralizar a administração pública.
"A capital política terá de sair de Lisboa", sustentam.
Na conferência de imprensa de hoje participaram dois cidadãos de Leiria, o advogado Arnaldo Rebelo, que recentemente se desvinculou do PS, e o médico Cândido Ferreira, ex-presidente da Federação Distrital do PS de Leiria.
Em Leiria realizar-se-á, em finais de setembro, um encontro do movimento, preparatório da constituição pública da associação política, que lhe conferirá personalidade jurídica.
O movimento está, entretanto, a preparar dois debates sobre duas das "causas" que assume, a natalidade e o combate à desertificação.

Sem comentários: