*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quinta-feira, 26 de julho de 2012

De Agostinho da Silva: sobre o Protestantismo e a Modernidade


“Efectivamente, como já se tem dito e demonstrado à saciedade, foi o protestantismo que possibilitou a estruturação ideológica do capitalismo na sua forma pós-renascentista; ao contrário do que se afirma em muitos dos campos mais directamente interessados no problema, os homens não marcham senão por ideias e nenhuma necessidade de carácter material lhes parece lícita senão quando a sua legalidade lhes foi garantida por uma qualquer espécie de metafísica; ora, o protestantismo, nas suas várias correspondentes, fornecia metafísica, e a mais poderosa das metafísicas, a metafísica de carácter teológico, mais que bastante para fundamentar e justificar as três linhas básicas do novo ciclo de civilização: a ciência desprendida de qualquer espécie de implicação de fraternidade ou de moral; a nação como um fragmento lícito do Santo Império; finalmente, o juro liberto de toda a mancha de pecado.
É seguro, e só a indispensável força de choque inerente a todo o movimento revolucionário pode pretender o oposto, que a junção dos três princípios fez que a humanidade progredisse nestes três ou quatro séculos, sob o ponto de vista material, sob o aspecto de organização de vida física na terra, muito mais do que em todo o restante da sua magnífica aventura. Por este lado, a nossa dívida de gratidão a todos os que participaram do movimento é das que se podem considerar inapagáveis; de resto, toda a nossa dívida ao passado só é excedida em grandeza por aquilo que devemos ao futuro; ora, os homens que deram impulso decisivo à ciência moderna, à técnica, à indústria, são estruturalmente, qualquer que seja a sua confissão religiosa, de carácter nitidamente protestante.”[1]

(excerto)

[1] “Três Fins”, in O Estado de São Paulo, São Paulo, 8 de Maio de 1955

Sem comentários: