*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

FMI considera que o estado económico de São Tomé e Príncipe é “positivo"

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considerou que o estado macroeconómica de São Tomé e Príncipe é “positivo em termos gerais”, apesar de considerar que “a inflação está acima do desejado”.

“Fizemos uma avaliação positiva, realmente está-se a caminhar para uma recuperação em termos de crescimento económico, embora algo lento, mas está-se a avançar”, disse a jornalistas o chefe da missão do FMI, Csigi Sikata.

Acrescentando que “há a questão da inflação, que ainda está acima do desejado ou do desejável, mas mesmo assim o estado da economia em termos gerais é positivo”.

“Todavia, estamos em crer que [os preços] irão baixar nos próximos meses, portanto em termos macroeconómicos a baixa da inflação será também positiva”, acrescentou.

Durante duas semanas, os peritos do FMI passaram a pente fino o sistema macroeconómico e financeiro do arquipélago, tendo no final da avaliação a missão do FMI deu nota positiva ao desempenho do governo são-tomense.

“Em termos gerais os resultados desta nossa visita foi bastante positivo, há realmente avanços consideráveis a registar”, disse Csigi Sikata.

“Quanto ao orçamento, constatámos que a receita foi realmente bastante forte durante estes primeiros seis meses, havendo claramente um esforço por parte do governo para se manter dentro daquilo que estava programado”, sublinhou o representante do Fundo Monetário Internacional.

A missão do FMI teve encontros com o governo são-tomense, a Assembleia Nacional (parlamento), o Banco Central, com bancos comerciais e sindicatos.

A missão do FMI, que deixou este fim de semana a capital são-tomense, mostrou-se satisfeita com a redução da burocracia para a criação de empresas, afirmou que houve aumento de receitas e congratulou-se com as medidas do banco central para solidificar o sistema financeiro nacional.

“O banco central tem vindo a reforçar claramente a suas funções de supervisão e registamos com agrado a intervenção num banco comercial, cuja gestão era deficitária”, enfatizou Sikata, que considera necessário o governo do arquipélago “melhorar o ambiente empresarial”, reduzindo as imposições legais que são colocadas à criação de empresas.

Apesar da boa performance da economia são-tomense, o FMI constatou que o país tem ainda pela frente um grande desafio. O sector energético continua deficitário, e o Fundo detetou um grande passivo no orçamento geral do Estado devido às dívidas que as câmaras distritais e o governo regional contraíram com a empresa de água e eletricidade (EMAE).

“Apurou-se realmente uma grande acumulação de [dívidas] por parte de municípios e da região autónoma para com a EMAE. Obviamente isto revela-se um peso para o orçamento que, a não ser tratado, irá significar um grande fardo para o governo, já que terá honrar esses pagamentos”, explicou Csigi Sikata.

Fonte: Notícias Lusófonas

Sem comentários: