*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sábado, 3 de setembro de 2016

MIL-Notícias, Guiné-Bissau...

Presidente da Guiné-Bissau entende que o país tem embaixadas a mais      

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, afirmou hoje que o país tem embaixadas a mais e que é urgente fechar algumas para melhor responder às necessidades e possibilidades financeiras do Estado guineense.


Para o líder guineense, que falava na abertura da quarta conferência dos embaixadores da Guiné-Bissau que decorre na localidade de Uaque, a 50 quilómetros de Bissau, o país não pode continuar a ter "embaixadas em todas as esquinas" quando podia abrir representações diplomáticas, disse.
A Guiné-Bissau conta com cinco embaixadas em África: Argélia, Guiné-Conacri, Gâmbia, Senegal e Marrocos, seis na Europa: Alemanha, Bélgica, Espanha, França e Portugal e Rússia, três no continente americano: Cuba, Brasil e Estados Unidos, e duas embaixadas na Ásia: China e Irão.
"Em vez de termos quatro ou cinco missões diplomáticas e equipá-las com todas as condições que a representação exige, dignificando assim as funções do embaixador (...) optamos por abrir embaixadas em todas as esquinas, sem que o país esteja preparado quer intelectualmente quer financeiramente para tal", afirmou José Mário Vaz.
Para o Presidente guineense, "é preciso que o país tenha coragem e reduza o número de embaixadas" em função dos recursos disponíveis, o que, disse, passará pelo encerramento das embaixadas consideradas desnecessárias, fixar o número do pessoal preciso e mandar de volta para casa os excedentários.
José Mário Vaz sublinhou que as chancelarias atuais "são inapropriadas", que as viaturas e as residenciais que servem o pessoal diplomático "não dignificam" os que aí trabalham e nem o próprio país, disse.
"Tudo isso é fruto da nossa própria desorganização. Não se adequa os serviços a real situação do país", defendeu Mário Vaz, apontando para novos objetivos em termos gerais e estratégicos naquilo que são as funções do pessoal diplomático.
Para o chefe de Estado guineense, os novos objetivos devem passar pela mobilização de fundos e captação de investimentos externos para o país, incentivo aos emigrantes para o envio das suas poupanças para o país, recenseamento dos cidadãos aí residentes, maior e melhor intervenção do pessoal diplomático na comunicação social do país acreditado e fornecimento de mais informações sobre a situação dos países onde se encontram a trabalhar.
José Mário Vaz diz que quer uma diplomacia "mais hábil, ativa e eficiente" e aguarda que até novembro terá em mãos um plano estratégico para por em marcha.
Também pediu uma "atenção especial" do pessoal diplomático em relação aos emigrantes guineenses que disse serem a principal razão da existência das representações do país no exterior.
Até domingo, 34 embaixadores, entre os que se encontram em missão no exterior e os que não estão colocados, debruçam-se sobre que estratégias para servir melhor o desenvolvimento do país e como dignificar ainda mais a carreira diplomática.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: