*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

terça-feira, 9 de agosto de 2016

MIL-Notícias, Moçambique...

Polícia moçambicana regista acalmia de situação militar      

O Comando-Geral da Polícia da República de Moçambique (PRM) declarou hoje que a semana passada foi tranquila e calma em comparação com as semanas anteriores, marcadas por uma forte atividade de ataques atribuídos à Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).

"A semana em referência [entre os dias 30 de julho e 05 de agosto] foi tranquila e calma, não se registou nenhum ato de banditismo por parte dos homens armados da Renamo", afirmou o porta-voz do Comando-Geral da PRM, Inácio Dina, em conferência de imprensa de balanço da atividade policial.
Excluindo do balanço o ataque da madrugada de segunda-feira a um posto administrativo na província do Niassa, norte de Moçambique, atribuído à Renamo, por não estar dentro do período em análise, Dina afirmou que a suposta acalmia registada na semana passada deveu-se ao reforço da presença policial nos potenciais pontos vulneráveis a investidas do braço armado da Renamo e às escoltas a viaturas nas vias de acesso que têm sido visadas nos ataques.
Na mesma conferência de imprensa, Inácio Dina considerou sem fundamento a acusação da Renamo de que a polícia moçambicana inviabilizou um encontro do principal partido de oposição numa unidade hoteleira da capital, dando ordens aos gestores do espaço para não acolherem a reunião.
"A acusação feita por um certo partido político de que a polícia deu ordens para impedir uma reunião política é infundada, porque a polícia não tem esse mandato, não controla unidades hoteleiras", declarou Dina.
Segundo o porta-voz do Comando-Geral da PRM, a presença de membros da corporação junto do hotel enquadra-se no seu mandato de garantir a ordem e segurança pública e não visa a obstrução da atividade dos partidos políticos.
"Se a polícia esteve lá, a Renamo devia ter-se sentido confortável e protegida, porque o trabalho da polícia é garantir a ordem", enfatizou Inácio Dina.
Moçambique, principalmente a zona centro, tem sido abalado por ataques atribuídos aos homens armados da Renamo a alvos civis e às forças de defesa e segurança e confrontos armados na região, que nas últimas semanas se alastraram ao norte, concretamente à província do Niassa.
A Renamo exige governar em seis províncias do centro e norte do país onde reivindica vitória nas eleições gerais de 2014, cujos resultados diz terem sido viciados pela Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder.
O Governo e a Renamo estão em negociações, na presença de mediadores internacionais, visando o fim dos confrontos e a restauração da paz no país.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: