*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sábado, 11 de junho de 2016

MIL-Notícias, Moçambique...


Moçambique admite mediadores em negociações para fim de conflito

O Governo moçambicano admite a participação de mediadores nas negociações com a Renamo para o fim da crise política e militar no país, aceitando a exigência do principal partido de oposição, indicou a delegação negocial do executivo.

"O Governo não está contra a participação de terceiras partes, sejam nacionais ou estrangeiras", afirmou Jacinto Veloso, membro da delegação do Governo, citado hoje pelo Notícias, principal diário em Moçambique.

Na quarta-feira, o Governo e a Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), anunciaram ter chegado a consenso sobre a agenda do encontro entre o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e o líder do principal partido de oposição, Afonso Dhlakama, destinado a um acordo para o fim do conflito militar no centro do país.
Mas as duas partes admitiram que prevalecem divergências em relação aos termos de referência, nomeadamente sobre a formação de grupos de trabalho que vão discutir aspetos concretos dos pontos de agenda.
De acordo com o Notícias, o Governo defende que os grupos de trabalho que vão implementar as decisões que serão tomadas pelo chefe de Estado e pelo líder da Renamo devem ser formados após a reunião entre os dois dirigentes.
Por seu turno, a Renamo entende que as referidas equipas têm de ser constituídas antes do encontro, para enviarem propostas a Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama.
Moçambique tem conhecido um agravamento dos confrontos entre as forças de defesa e segurança e o braço armado da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), o maior partido da oposição, além de acusações mútuas de raptos e assassínios de militantes dos dois lados.
A polícia moçambicana responsabiliza a Renamo por emboscadas a viaturas civis em vários troços da principal estrada do país, na região centro.
O principal partido de oposição recusa-se a aceitar os resultados das eleições gerais de 2014, ameaçando governar em seis províncias onde reivindica vitória no escrutínio.
O Governo moçambicano e a Renamo retomaram em finais de maio as negociações em torno da crise política e militar em Moçambique, após o principal partido de oposição ter abandonado em finais de 2015 o diálogo com o executivo, alegando falta de progressos.
 Diário Digital com Lusa

Sem comentários: