*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

domingo, 17 de abril de 2016

MIL-Notícias, Brasil...

Brasil: Vice-presidente nega querer acabar com programas sociais

O vice-presidente brasileiro, Michel Temer, que assumirá temporariamente a Presidência se a destituição de Dilma Rousseff for aprovada, negou que queira acabar com os programas sociais, em resposta a uma mensagem da Presidente.

"Leio hoje nos jornais as acusações de que acabarei com o Bolsa família. Falso. Mentira rasteira. Manterei todos os programas sociais", escreveu Michel Temer, na sua conta no Twitter.
Num vídeo publicado na madrugada de hoje nas redes sociais, Dilma Rousseff avisou que os "golpistas" que querem tirá-la da Presidência desejam revogar direitos e cortar programas sociais, como a Bolsa Família, e na educação.
O vice-presidente rejeitou também a acusação de Dilma Rousseff de que, "para alcançar os seus objetivos", quem lidera o processo de 'impeachment' (destituição) está disposto a "violentar a democracia e a rasgar a Constituição, espalhando a intolerância, o ódio e a violência".
"Defendo a unificação e pacificação dos brasileiros. Não o caos, o ódio e a guerra", escreveu, no Twitter.
Michel Temer defendeu que só será possível sair da crise "se todos trabalharem pelo Brasil, não pelos seus interesses pessoais".
O vice-presidente manifestou ainda o seu apoio à operação Lava Jato, que "tem prestado importantes serviços ao país".
"Sou jurista e sei do papel fundamental da Justiça e do MP [Ministério Público] para o avanço das instituições", escreveu.
A declaração sobre a Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção que envolve várias empresas, incluindo a petrolífera Petrobras, surge numa altura em que apoiantes do Governo afirmam que a investigação será arrefecida se a Presidente deixar o poder, segundo o jornal Folha de São Paulo.
Caso a Câmara dos Deputados aprove o pedido de 'impeachment' no domingo e, depois, o Senado tome a mesma decisão, Dilma Rousseff será temporariamente substituída por Michel Temer.
O pedido de destituição do cargo tem como base as chamadas "pedaladas fiscais", atos ilegais resultantes da autorização de adiantamentos de verbas de bancos para os cofres do Governo para melhorar o resultado das contas públicas.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: