*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Há muita retórica e pouca ação na valorização da língua portuguesa - Carlos Reis

Há muita retórica e pouca ação na valorização da língua portuguesa - Carlos Reis


O coordenador do congresso internacional "Língua Portuguesa: uma Língua de Futuro", Carlos Reis, afirmou hoje em Coimbra que "falta vontade política" e ação por parte dos países e entidades responsáveis na difusão e valorização da língua.

"Não se tem feito quase nada. Há planos de ação de que ouvimos falar, como o de Brasília e o de Lisboa [planos de estratégia para a promoção da língua portuguesa]. É caso para dizer, com alguma amargura, que os planos já existem, agora faltam as ações", disse à agência Lusa Carlos Reis, à margem da sessão de abertura do congresso internacional "Língua Portuguesa: uma Língua de Futuro", que decorre entre hoje e sexta-feira.
Para o catedrático da Universidade de Coimbra, o diagnóstico está feito e as "iniciativas estão identificadas". No entanto, "falta vontade política", referiu, apontando para a própria ausência de qualquer representante da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) no congresso.
Segundo Carlos Reis, a CPLP "deveria ter um papel fundamental" no entendimento entre os diferentes países de língua oficial portuguesa.
"Que significado a CPLP dá à língua como motor da existência de uma comunidade de países de língua portuguesa", questionou o coordenador do congresso que assinala o encerramento das comemorações dos 725 anos da Universidade de Coimbra.
Olhando para Portugal, o docente referiu que também falta "entendimento" no país quanto à importância da língua e à "noção básica de que a difusão e valorização da língua arrastam outros componentes como a ciência, economia, ou vida cultural, e não o contrário".
Carlos Reis sublinhou que seria importante "aprofundar a formação de professores", reforçar a presença do português no estrangeiro sem ser apenas com "um tradutor aqui e um leitorado acolá" e criar instituições "que sejam capazes de dinamizar de facto a língua portuguesa como uma língua comum dos oito países de língua oficial portuguesa".
Nesse sentido, o Instituto Internacional da Língua Portuguesa deveria ter "um papel mais forte do que aquele que tem tido, porventura por falta de meios".
Durante a sessão de abertura, Carlos Reis alertou que, se não se quer assistir a uma "morte lenta" da língua portuguesa, há que "passar da retórica à ação". Contudo, o problema é que nos últimos anos há "muita retórica" e pouca ação, notou.
"Estamos cansados de ouvir e voltar a ouvir gente com responsabilidade citar: 'a minha pátria é a língua portuguesa'. Como se isso aliviasse as consciências", criticou.
Para além de muitas vezes mal atribuída a Fernando Pessoa, "não basta proclamar" tal expressão, frisou, terminando o seu discurso com uma interrogação sobre se ainda se vai falar em língua portuguesa nos 800 anos da Universidade de Coimbra.
Durante três dias, escritores, especialistas e investigadores debatem no Convento de São Francisco, em Coimbra, a língua portuguesa como um idioma de futuro, abordando o ensino da língua portuguesa, a sua presença na era digital, o português como língua do conhecimento ou como língua literária.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: