*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

terça-feira, 13 de outubro de 2015

CPLP estuda força conjunta de saúde militar para intervir em catástrofes

CPLP estuda força conjunta de saúde militar para intervir em catástrofes

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) está a estudar a criação de uma força conjunta de saúde militar para intervir, nomeadamente, em cenários de catástrofe, disse à Lusa fonte oficial portuguesa.
A informação foi transmitida à agência Lusa pelo diretor do Serviço de Saúde Militar do Estado-Maior General das Forças Armadas portuguesas à margem do 17.º encontro de saúde militar da CPLP, que está a decorrer em Luanda, até quinta-feira.
De acordo com o major-general médico José Maria Gouveia Duarte, dentro da CPLP já funciona um observatório próprio, espaço no qual os vários países partilham experiências e conhecimentos nas diferentes vertentes da saúde militar.
"Para, daqui a uns anos, podermos ter essas forças efetivas com meios nos vários países", apontou o oficial general, da Força Aérea Portuguesa.
Especialistas civis e militares das forças armadas dos nove países da CPLP iniciaram hoje, em Luanda, um ciclo de reuniões de três dias para abordar a saúde militar nesta comunidade e o seu desenvolvimento no futuro.
"O que se pretende neste congresso é dar o passo seguinte para arranjarmos forças cooperativas entre todos os países. Mas poderá ter que levar algum tempo até ser realidade", admitiu ainda José Maria Gouveia Duarte.
O diretor do Serviço de Saúde Militar português explicou tratar-se de uma possível força conjunta 'on-demand', para intervir "quando necessário", como "em grandes catástrofes". Uma cooperação que, sublinhou, já acontece na prática, mas ainda de "forma desgarrada".
"É mais a questão de estruturar essa participação. Para os países da CPLP era uma grande mais-valia", reconheceu.
No encontro de Luanda participam, além de Angola e de Portugal, delegações militares do Brasil, Timor-Leste, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Moçambique.
José Maria Gouveia Duarte, que coordena a estratégia da saúde militar nacional, explicou ainda que Portugal colabora ativamente com os restantes países da CPLP, nomeadamente assegurando a formação de especialistas e na partilha de conhecimentos.
"Eles próprios [países da CPLP] nos procuram, por exemplo no lidar com o 'stress' pós-traumático. Estamos também no ensino e na formação", apontou.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: