*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Governo moçambicano acusa Renamo de violar acordo de paz

Governo moçambicano acusa Renamo de violar acordo de paz
 
O Governo moçambicano acusou hoje em Maputo a Renamo, principal partido de oposição, de violar o acordo de cessação das hostilidades assinado em setembro do ano passado, apontando vários casos como prova do incumprimento.
"No passado dia 03 de julho corrente, a Renamo atacou uma unidade policial no distrito de Tsangano, província de Tete, [centro do país] e no dia seguinte, 04 de julho, cerca das 13:00, voltou a atacar uma viatura que transportava os agentes da lei e ordem, numa clara evidência de que ela não está disposta a se desmilitarizar", disse o chefe da delegação governamental, José Pacheco, falando em conferência de imprensa, na 111.ª ronda do diálogo político entre o Governo e a Renamo.
Segundo Pacheco, na província central de Sofala, membros da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) raptaram e agrediram um chefe tradicional, identificado pelo nome de José Paulo, alegadamente porque estava a mobilizar a população para participar em atividades produtivas no âmbito da divulgação do programa do Governo.
Confrontado pela imprensa sobre as alegações do Governo, o chefe da delegação da Renamo, Saimone Macuiana, afirmou não possuir elementos necessários para a formulação de uma resposta em relação às acusações.
"É verdade que o Governo possa ter trazido essa matéria de forma oral, mas a delegação da Renamo exigiu que o governo trouxesse, nas próximas rondas, por escrito para poder perceber o que está a acontecer", afirmou Macuiana.
Na ronda negocial de hoje, Governo e Renamo entraram no quarto ponto de agenda, que versa sobre "questões económicas", não tendo ainda alcançado qualquer acordo.
As duas partes transitaram para a discussão das questões económicas sem antes terem alcançado acordo em relação ao ponto sobre a desmilitarização do braço armado do principal partido de oposição, devido à exigência do movimento de se desarmar em troca de indicação de seus oficiais para postos de comando nas Forças de Defesa e Segurança moçambicanas.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: