*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Moçambique quer eliminar casamentos impostos a raparigas de 13 anos

Moçambique quer eliminar casamentos impostos a raparigas de 13 anos

A ministra do Género, Infância e Ação Social de Moçambique, Cidália Chaúque, afirmou hoje que o governo moçambicano pretende erradicar os casamentos impostos às raparigas de 13 anos, uma prática frequente que considera criminosa.
Falando aos jornalistas numa conferência em Barcelona, Cidália Chaúque considerou que "os casamentos prematuros são um crime" e afirmou que as famílias muitas vezes "vendem ou entregam para casamento raparigas de 13 e 14 anos para pagar dívidas com outras famílias".
Esta prática "depende da tradição cultural de cada província", assegurou a governante, citada pela agência espanhola EFE.
Dados do Fundo da ONU para a Infância (UNICEF) de 2011 dão conta de que o casamento prematuro em Moçambique afeta 14 por cento dos menores de 15 anos e até 48% dos adolescentes até 18 anos, e compromete o direito da rapariga à educação e à saúde.
Segundo a agência das Nações Unidas, "Moçambique tem uma das mais altas taxas de casamento prematuro do mundo".
"Práticas culturais específicas onde as crianças são consideradas prontas para o casamento depois dos ritos de iniciação contribuem para a alta taxa de casamentos prematuros", afirma o UNICEF na sua página da Internet.
A província mais afetada por esta prática é a de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, com 68% dos casos de raparigas casadas antes dos 18 anos, seguida de Manica, com 64%, e Zambézia (62%), ambas localizadas no centro do país.
A região de Gaza, no sul de Moçambique, tem uma taxa reduzida de casamentos prematuros (33%), a província de Maputo regista uma quota de 27%, enquanto a menor taxa se assinala na cidade de Maputo, capital do país, com 21%.
A zona sul do país regista, no entanto, taxas significativas de infeção por vírus VIH, que provoca a Sida, na ordem 25% na província de Gaza, em contraste com a média de 11,5% de todo o país.
Cidália Chaúque destacou o impacto da transmissão do vírus para as raparigas menores de idades, sobretudo em Gaza, onde os parceiros vão trabalhar para a África do Sul, o país mais infetado a nível mundial, de acordo com estimativas das Nações Unidas.
"Há maridos que sabem que estão infetados, mas não tomam precauções e acabam por passar o vírus para suas esposas", assegurou Cidália Chauque, assinalando a proximidade fronteiriça entre Moçambique e África do Sul.
A titular da pasta do Género, Infância e Ação Social de Moçambique garante que as políticas do seu ministério centram-se na "criação de condições para que a igualdade de género seja uma realidade" no país.
Esta semana, Cidália Chaúqu reuniu-se com a presidente do Parlamento catalão, Núria de Gispert, o ministro regional para diferentes entidades, bem como com Instituto Catalão da Mulher e da Secretaria de Relações Exteriores Social e Bem-Estar Familiar, Neus e Munté.
Em declarações aos jornalistas, a diretora da Agência Catalã de Cooperação para o Desenvolvimento (ACCD), Marta Macias, considerou que "as políticas de género do governo de Moçambique são muito semelhantes às da Catalunha, mas lá (Moçambique) é muito mais difícil de implementar".
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: