*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sábado, 1 de novembro de 2014

Moçambique/Eleições: Frelimo perdeu 219 assentos nas assembleias provinciais

Moçambique/Eleições: Frelimo perdeu 219 assentos nas assembleias provinciais


A Frelimo, partido no poder em Moçambique, perdeu 219 lugares nas assembleias provinciais, passando a controlar 485 assentos contra 704 das eleições gerais de 2009, de acordo com os resultados divulgados quinta-feira pela Comissão Nacional de Eleições.

Segundo os resultados oficiais das eleições gerais do passado dia 15, a (Frelimo) Frente de Libertação de Moçambique perdeu para a Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) o controlo das assembleias províncias da Zambézia, Sofala, e Tete, províncias do centro do país.
Na Zambézia, segundo maior círculo eleitoral do país, com 92 assentos para a assembleia provincial, o partido no poder baixou o seu número de assentos de 58, em 2009, para 37, e a Renamo aumentou de 31 para 51. O Movimento Democrático de Moçambique (MDM) alcançou apenas quatro assentos no escrutínio do dia 15.
Na província de Sofala, bastião da oposição, a Frelimo perdeu 30 lugares, conseguindo apenas 29 assentos, enquanto a Renamo subiu de apenas um para 46 lugares, numa assembleia provincial com 82 assentos. O MDM ganhou sete.
O partido no poder perdeu 42 lugares na assembleia da província de Tete, passando a controlar apenas 33, contra 44 da Renamo e três do MDM, de um total de 82 assentos.
Apesar de ter perdido o controlo três assembleias provinciais, a Frelimo ganhou em sete das 10 assembleias provinciais do país, que, ao todo, têm 811 assentos.
Tal como para as legislativas, em que elegeu todos os 14 mandatos na província de Gaza, sul do país, a Frelimo quase conseguiu o pleno na província, conquistando 69 dos 70 assentos, com um lugar a ser ganho pelo MDM, contra nenhum da Renamo.
Em funcionamento desde 2009, as assembleias provinciais apenas fiscalizam a atividade do Governo provincial, tendo pouca influência sobre o funcionamento do mesmo, uma vez que os membros do executivo provincial são nomeados e tutelados pelo poder central.
A Frelimo ganhou as eleições gerais em Moçambique com uma maioria absoluta de 55,97% no parlamento, e o seu candidato, Filipe Nyusi, venceu as presidenciais com 57,03%, segundo os resultados oficiais divulgados na quinta-feira pela CNE.
A Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) conserva o estatuto de maior partido de oposição, obtendo 32,49% nas legislativas e o seu líder, Afonso Dhlakama, 36,61% nas presidenciais, enquanto o MDM (Movimento Democrático de Moçambique) consolida a posição de terceira força, com 7,21% no parlamento e 6,36% do seu candidato, Daviz Simango, na corrida à sucessão do atual chefe de Estado, Armando Guebuza.
A Frelimo terá 144 deputados na Assembleia, menos 47 do que o atual grupo parlamentar, a Renamo aumenta a sua presença de 51 para 89 mandatos e o MDM passa de oito para dezassete.
A abstenção foi de 51,51% nas legislativas e de 51,36% nas presidenciais.
Os resultados oficiais apresentados pela CNE são o fim de um processo de apuramento iniciado a 15 de outubro nas cerca de 17 mil mesas de voto em todo o país, prosseguindo aos níveis distrital e provincial, antes do pronunciamento final da Comissão Nacional de Eleições e que terá de ser ainda validado pelo CC.
Mais de dez milhões de moçambicanos foram chamados a 15 de outubro para escolher um novo Presidente da República, 250 deputados da Assembleia da República e 811 membros das assembleias provinciais.
No escrutínio concorreram três candidatos presidenciais e 30 coligações e partidos políticos.
O processo eleitoral tem sido acompanhado por denúncias de irregularidades e que levaram já os principais partidos de oposição a ameaçar não reconhecer os resultados.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: