*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Escreve-se com «c»

Desde há muitos anos que faço a mim próprio a seguinte pergunta: haverá algo de errado com o meu nome? É que, considerando a frequência com que – involuntariamente ou não – o alteram, essa hipótese deve ser colocada. Terá a ver com a minha voz, com a forma como o digo, o pronuncio? Dever-se-á, quando o escrevo, à minha letra «arrevesada»?
A verdade é que já confundiram Octávio com Acácio, António, Ary, Cláudio, Eduardo, Fábio, Gustavo, Orlando, Osvaldo, Ricardo. E, sim, até Octaviano. Por brincadeira (de mau gosto) já me chamaram «Otário» e «Ovário». Numa livraria, mais concretamente numa etiqueta no meu livro «Visões», vi... «Ostávio». Num recibo de farmácia... «Orávio»! Durante cerca de dez anos não recebi os avisos de pagamento do Imposto Municipal sobre Imóveis relativo a um de que sou co-proprietário porque, no remetente, estava «Ocatvio»; aos «competentes» funcionários da repartição de finanças da minha área não lhes ocorreu, durante todo aquele tempo em que as cartas lhes eram devolvidas, que, provavelmente era «Octávio» mal escrito, com o «t» fora do sítio…
Com os meus apelidos também tive – e ainda tenho – problemas. Antes de mais, se alguém se chama Octávio José Pato dos Santos é certo e sabido que não escapará às alusões… zoológicas. Na década a seguir ao 25 de Abril de 1974 foram vários os «patinho», «patolas» e «quá quá» que ouvi… entremeados com o ocasional, mas inevitável, «caixa de óculos». E «comuna», ainda por cima: imagine-se o que é, durante o «Verão (e a Primavera, e o Outono) Quente», estar na escola e os colegas descobrirem que me chamava Octávio Pato, e que era mesmo parente – no caso, primo em terceiro grau – do dirigente, com o mesmo nome, do Partido Comunista Português. E não por acaso, não por coincidência: foi em homenagem a ele que os meus pais me deram o nome… e também porque «Alexandre», a primeira escolha, já tinha sido «tomado» pelo meu (primeiro de três) primo direito, nascido pouco tempo antes…
Infelizmente, e ao contrário do acne e das borbulhas (que nem tive por aí além), os erros no nome não desapareceram com o final da adolescência. Em 2013 (exactamente, no ano passado), numa sessão de autógrafos na Feira do Livro de Lisboa, tive direito, como autor, a uma fotografia nos cartazes feitos pela distribuidora (a minha editora dos dois livros então em destaque não tinha pavilhão próprio); só que… o nome por baixo dessa fotografia – que também foi divulgada online – era «Octávio de Matos»! Além de um actor, também me «confundem» com um ex-jogador e treinador de futebol: em 2014 (exactamente, este ano), um outro escritor, que muito estimo, autografou-me um dos seus livros escrevendo «Octávio Machado»… apesar de saber – ou de dever saber, porque já havíamos contactado várias vezes – que o meu apelido é «dos Santos». Pouco tempo depois, um sítio brasileiro que de vez em quando reproduz (alguns d)os meus textos do Obamatório identificou-me como «Octávio de Souza» - algo tanto mais estranho porque nas ocasiões anteriores escreveram correctamente o meu nome. 
Evidentemente, o erro mais comum é «Otávio»… e isto já acontecia com alguma regularidade antes do «aborto pornortográfico». Mas, obviamente, a incidência aumentou depois da implementação, da imposição, do dito cujo. Porém, o pior «Otávio» que me aconteceu foi em 1987, na primeira versão do artigo «Os Novos Descobrimentos»… não, não foi a que saiu no Diário de Notícias Magazine em 1988, mas sim um ano antes n’O Século. O meu nome foi cortado «a meio» (sem apelido) e sem «c» no próprio… embora, ao menos e felizmente, o do meu amigo Luís Ferreira Lopes aparecesse completo e sem erros. Que «melhor» se poderia esperar para o meu primeiro texto publicado num jornal de âmbito nacional? É por estas e por outras que, sempre que me perguntam o nome, eu faço questão de carregar no «c» quando respondo…
Nem todos os «Otávio» são acidentais: há quem escreva erradamente o meu nome deliberadamente como forma de me apoucar, de me insultar. Talvez pensem que, retirando o «c», me «castrem» simbolicamente, como se me cortassem os c*lh**s. Um dos mais notórios adeptos dessa práctica é, como já referi mais do que uma vez, o (ex-) embaixador Francisco Seixas da Costa. Este ainda mostrou alguma (não muita) «elegância» ao fazê-lo, resultante sem dúvida dos seus muitos anos de «diplomacia». No entanto, outros há que têm na alarvidade, na boçalidade, na mais completa grosseria e filha-de-p*t*c* o seu «estilo» preferencial….
… Como um tal de Artur Costa, que numa «posta» do seu blog O Linguado (e reincidindo nos remoques dois meses depois) criticou o meu artigo «Processo Retro-ortográfico sem Curso», publicado a 26 de Dezembro de 2012 no Público. Só recentemente tive conhecimento da existência do Sr. Costa e da sua «civilidade»: é apoiante do AO90, e, entre outras «flores de retórica», lançou-me as de que eu sou um «homem de fronha deslavada» (pois, parece que não sou do tipo que ele prefere), que costumo «babar(-me) em cima de pessoas» que não conheço, que sou «estúpido», «nauseabundo», escrevo «arrotos» e revelo «pobreza de estilo», um «merdoso» que faz por «segregar» pessoas, «imbecil»; e, porque nem sequer mereço que se debata o que eu penso (sim, a liberdade de expressão, a troca de ideias, são conceitos tão «sobrevalorizados»), deveria morrer metendo – ou alguém meteria por mim – «a cabeça debaixo de um comboio». Para quem não se sente um neofascista e se indigna perante essa classificação, não há dúvida de que este «bimbo da Costa» se assemelha bastante a um… Junte-se a tudo isto delírios como os de os «acordistas» terem «a lei do seu lado» (!) e serem «a maioria dos portugueses» (!!) e obteremos um «retrato-robot» dos mais eficientes «autómatos» que obedecem às ordens de Malaca Casteleiro e dos outros «engenheiros de almas» formados durante o «admirável» Estado Novo.
Em resumo: podem (mas não devem) escrever mal o meu nome, mas não pensem que eu não estarei pronto para vos corrigir… e não só na ortografia.      

Sem comentários: