*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

terça-feira, 1 de abril de 2014

A «sociabilidade insociável» kantiana

O personalismo social-substantivista dogmático, que pensa a pessoa como substância, pensa-a também como um ser de natureza ou essência exclusivamente social: neste sentido fala sobretudo da pessoa como sendo exclusivamente uma «pessoa social». Já ARISTÓTELES definira o homem exclusivamente como zoón politikon, animal social e político ─ e nisso se esgotaria toda a sua essência: na verdade, na cidade antiga, onde, de resto, não se distinguia o «social» do «político», a identidade humana esgotava-se toda com o ser cidadão, com o ser membro da pólis e de nesta participar em total identificação e fusão com ela. E aquele personalismo substantivista e comunita-rista ou social dogmático define também a forma política e social mais própria da realização do verdadeiro humano ─ que é sem dúvida a comunidade ─ como um ser de natureza hipostática e substantivista (ôntica) ─ o que chamam de o ser social ─, contraposto ou supraposto às pessoas individuais, já que o bem comum, por que se definiria a suprema axiologia dessa comunidade, é pensado, não como uma ideia regulativa aberta, mas como uma verdadeira «essência» ou «substância», monisticamente definida, e definitivamente suprapessoal ou hierarquizada em termos de se relegar os valores e interesses pessoais para o mero terreno dos «egoísmos» particularistas, irracionais e fragmentários dos vários indivíduos empíricos. Só que, por um lado, a lucidez crítica que devemos a IMMANUEL KANT, de ter definido a natureza humana, sob este aspecto, como a de uma sociabilidade insociável (ungeselligegeselligkeit), veio, com o advento da Modernidade, mostrar que a «essência» do ser pessoal não tem uma só valência, ou melhor, que existe nela uma fundamental ambivalência interna, e assim também uma dimensão de insociabilidade, pelo que poderemos agora tranquilamente dizer que, se de algum modo todo o social é humano, a verdade indesmentível é que nem todo o humano é social. Também SIGMUND FREUD demonstrou essa ambivalência, ao mostrar a dualidade de direcções que pode tomar o investimento libidinal pessoal (tendências «egoístas» e tendências «altruístas», para falar de um modo algo grosseiro e simplificado) e a antinomia que, por um lado, existe entre o homem e a sociedade constituída, apesar da, por outro lado sua aspiração à comunidade. E FRANCIS FUKUYAMA, num dos seus últimos livros (Confiança: Valores Sociais e Criação de Prosperidade, 1996), reiterando a sua tese hegeliana do humano «desejo de reconhecimento», diz o seguinte: «(…) Os seres humanos são, simultaneamente, indivíduos altamente egoístas e criaturas com um lado social que abomina o isolamento e rejubila com o apoio e o reconhecimento por parte de outros seres humanos» ─ os itálicos são nossos. E não estará nesta fundamental e incontornável ambivalência humana a verdade intrínseca e a razão de ser, simultaneamente, tanto da perspectiva consensualista (PLATÃO, KANT, ROUSSEAU, DÜRKHEIM, TALCOTT PARSONS, estrutural-funcionalismo, etc.), como da perspectiva conflitualista (ARISTÓTELES, THOMAS HOBBES, HEGEL, MARX, RALF DAHREN-DORF, DAVID LOCKWOOD, etc.), que sempre se têm defrontado na concepção básica da sociedade ? Quanto à impropriedade de se definir o ser humano como de uma «natureza exclusivamente social», ou como um ser apenas «sociável», ou que se defina todo pelo «social», bem como sobre os limites (internos e externos) de uma pretensa «socialização integral» do humano, veja-se o excelente livro do sociólogo norte-americano PETER L. BERGER, intitulado Perspectivas Sociológicas: Uma Visão Humanística, 16ª. edição brasileira, Petrópolis, 1996, especialmente o Capítulo intitulado: A Sociedade como Drama, págs. 137 e seguintes, onde se fala da «má-fé» (em sentido sartriano) que pode constituir a «fuga à liberdade própria» para a inautenticidade (o das Man heideggeriano) do aconchego e da segurança tranquilizadora dos «papéis» e «lugares comuns» que nos oferece a própria sociedade. 

VIRGÍLIO CARVALHO.

Sem comentários: