*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

segunda-feira, 10 de março de 2014

Extractos de Literatura Portuguesa - 1 - Teixeira de Pascoaes - O Bailado




I

 “Afinal o que é a Poesia? O desejo que certos homens têm de não morrer. Poesia, Arte, Filosofia, Ciência – mãos de náufragos agarradas a uma tábua.
Certos homens trabalham, como formigas, na obra da sua imortalidade, o que os torna ferozes entre si! Cravam os dentes no osso indestrutível e rosnam ameaçadores…
Há filósofos que negam a imortalidade da alma para imortalizarem o seu nome! – Morra a Humanidade e viva eu! Eu? Apenas o nome que me deram; uma pequena partícula sonora e fictícia do meu ser.
O homem que sonha imortalizar-se é o mais terrível dos animais! De bom grado transformaria o mundo num caos para ser o Jeová dum novo Fiat!
Aristóteles era mais amigo da Verdade que de Platão. Amicus Plato, magis amicas Veritas. Quer dizer: tu, Platão, não passas dum mero fantasista. A Verdade só me pertence a mim! A Verdade sou eu e não és tu… Eis aqui, leitor, a atitude dum amigo que sonha imortalizar-se, perante outro amigo que tem a certeza de não morrer. Uma atitude amável, pois não é?
Viva o leitor com os seus filhos. Valem mais que as nossas obras. Compre (caridade), leia (distracção) e passe ao largo dos filósofos.”


II


 “Sim. Toda a obra de arte é um protesto contra a Morte. Ela ouve e ri; mas o protesto sempre fica… Também eu, caro leitor, me atrevo a lavrar o meu protesto. É fraco e em voz obscura. A Velha nem o ouve, nem se ri! Valha-nos isso!”



Do capítulo “Sombra e Pedra”

In: Teixeira de Pascoaes, O Bailado, Lisboa, Assírio & Alvim, 1987, p. 26.





Sem comentários: