*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Timor-Leste com datações arqueológicas mais antigas do sudeste asiático insular

Timor-Leste é o país no sudeste asiático insular que tem as datações arqueológicas mais antigas e a maior concentração de arte rupestre, disse ontem à agência Lusa o arqueólogo português Nuno Vasco Oliveira.

"Timor-Leste tem, neste momento, as datações mais antigas na ordem dos 42 mil anos em datas conhecidas para todo o sudeste asiático insular em termos de ocupação humana", afirmou o também assessor da Direção Geral de Arte e Cultura timorense e cientista convidado da Universidade da Austrália, onde tirou o doutoramento.

Segundo Nuno Vasco Oliveira, Timor-Leste tem também uma diversidade de sítios arqueológicos, incluindo uma das maiores concentrações do sudeste asiático insular de arte rupestre.

"Ao longo dos últimos 42 mil anos foram chegando e ocupando o território e gerido os recursos que aqui haviam até à chegada de povos que falavam as línguas que hoje são o grupo maioritário de línguas que se falam em Timor que são as da austronésias ou ?malai' polinésias que terão chegado há cerca de três mil 3500 anos com um conjunto de conhecimentos e técnicas culturais que anteriormente não eram conhecidos, nomeadamente a domesticação de uma série de animais", disse.


O único marsupial existente em Timor-Leste, a meda, que existe sobretudo na zona de Los Palos, na zona leste do país, está datado de há cerca de 10 mil anos.

Apesar de no ponto de vista da cultura material, nomeadamente monumentos, as várias culturas que foram passando pela ilha não terem deixado marcas, do ponto de vista científico e cultural existem "vestígios significativos", disse o arqueólogo.

Exemplos disso são o arpão esculpido em osso há cerca de 35 mil anos encontrado por uma equipa de arqueólogos australianos há cerca de três anos e um tambor da cultura Dong Son, do norte do Vietname ou da China, que marca o aparecimento dos primeiros metais em cobre e depois em bronze há cerca de 2500 anos, descoberto antes de 1999 e guardado pela comunidade.

"Tínhamos evidências através da arte rupestre e agora pela primeira vez apareceu o tampo de um tambor e sugere de facto que os objetos estão lá. São geralmente objetos importante perduram para além do seu uso específico original e são tratados como objetos sagrados para as comunidades", disse Nuno Vasco Oliveira.

Em relação ao arpão, o arqueólogo explicou que o interessante é que, segundo o registo arqueológico conhecido, "não havia fauna terrestre que justificasse uma arma daquele porte, porque aquilo seria no fundo uma lança em osso que estaria encabado num cabo grande".

"Ora nessa altura animais de grande porte verdadeiramente atestados só animais marinhos, portanto, peixes de grandes dimensões, de raiais, golfinhos que podiam passar junto à costa", disse.

Segundo o arqueólogo, as peças em ossos são muito raras e "há a discussão sobre a capacidade que os modernos humanos, ou até antes, teriam para produzir materiais daquela qualidade".

Aquele tipo de achado também é mais raro de aparecer porque é mais vulnerável às condições climatéricas e ao facto de não serem produzidos em série como os de pedra.

"Isto é um bocadinho um caldinho cultural. É uma ilha, um local de passagem, onde as pessoas foram chegando assentando arraiais, vindo dos mais variados locais. Obviamente primeiro do sudeste asiático continental e depois andando para trás e para a frente", explicou o arqueólogo.


SAPO Timor-Leste

Sem comentários: