*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Tempo de falar claro

O Governo lá conseguiu, “in extremis”, aceder à sua sétima e última vida. Não se sabe quanto durará – pode ser apenas até ao próximo orçamento –, mas esta será mesmo a última.

Por toda a oposição, sentiu-se um grande suspiro de alívio, apesar da ruidosa retórica em contrário. Os nossos partidos de esquerda não conseguiram ainda passar da fase adolescente do “estar contra”. O Partido Socialista não quer, na verdade, ir já para o Governo: espera que estes façam todo o “trabalho sujo” por si e pela posterior retoma económica.

O pequeno-grande problema é que, por este caminho, não haverá retoma alguma. Ou a zona euro muda radicalmente – e não se vê como – ou o único caminho possível passará por negociar uma saída: a sós ou, idealmente, em conjunto com outros países.

Este deveria ter sido o momento em que emergisse da sociedade civil um Governo de Salvação Nacional que promovesse esse debate nacional, eventualmente até com um referendo sobre a nossa adesão à zona euro. E que, no plano interno, promovesse uma profunda reforma das leis eleitorais, de modo a regenerar o nosso Parlamento. Com as leis eleitorais e os partidos que temos, não vale a pena ir já para eleições. O resultado será sempre mais do mesmo.

Face a isso, os diversos movimentos políticos emergentes têm que tomar uma decisão – já que o Parlamento não se abrirá, do modo próprio, às candidaturas independentes, das duas, uma: ou avançam para a constituição de um partido que os represente e tente mude as coisas por dentro ou, caso não o queiram (ou o não consigam), só lhes resta encetar uma campanha pelo voto branco (ou nulo) nas próximas eleições legislativas. É tempo de falar claro.
Renato Epifânio
Texto publicado em:

Sem comentários: