*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sábado, 13 de julho de 2013

Médicos interessados em trabalhar no Brasil terão viagem paga e visto facilitado para familiares

Médicos interessados em trabalhar no Brasil terão viagem paga e visto facilitado para familiares

Os médicos estrangeiros interessados em trabalhar no Brasil terão todos os custos de viagens pagos pelo governo brasileiro e visto facilitado também para os cônjuges e dependentes, informou hoje o ministro da Saúde brasileiro, Alexandre Padilha.

"O Brasil vai arcar com os custos da viagem internacional desse médico, que receberá também um visto especial, com validade de três anos, renováveis por mais três, para ele e também para os cônjuges", explicou o ministro brasileiro em conferência à imprensa estrangeira no Rio de Janeiro.
Esta segunda-feira, o Governo brasileiro lançou um plano de investimentos para a área de saúde que abrange, entre outras medidas, um programa para atração de médicos estrangeiros para zonas carentes no interior do país.
Atualmente, o Brasil possui uma relação de 1,8 médicos para cada 1.000 habitantes, enquanto que países como Portugal e Espanha possuem um índice próximo a quatro médicos por 1.000 habitantes.
Para tornar mais atraente a deslocação desses profissionais, o ministro afirma que serão dadas todas as facilidades de documentos, como vistos e carteira de trabalho, também para os cônjuges e filhos que acompanhem o médico.
"Os prefeitos dos municípios que participam do programa têm todo o interesse em aproveitar essa mão-de-obra também dos maridos e esposas que acompanharão esses médicos", ressaltou.
As inscrições para o programa foram abertas nesta quarta-feira e vão até o dia 25 de julho, quando haverá uma primeira ronda de escolha.
A previsão, segundo o ministro brasileiro, é de que o programa, com ordenados na ordem dos 10 mil reais (3.400 euros), atraia tanto médicos jovens, recém-formados, como profissionais mais experientes, interessados em novos desafios ligados à realidade brasileira, como trabalhar na região Amazónica e com a população indígena.
"Essa chamada é para trabalhar na unidade de saúde básica, então esperamos a adesão principalmente de médicos generalistas e de família, mas os especialistas também se podem inscrever", explicou o ministro.
Os profissionais estrangeiros que decidam aderir ao programa estarão diretamente vinculados a uma universidade pública brasileira, que ficará responsável por realizar um pequeno estágio, ao longo das três primeiras semanas.
No final, o médico receberá um certificado de especialista em Atenção Básica, emitido por uma universidade brasileira.
Ainda de acordo com Padilha, o governo já negocia o reconhecimento desse certificado com instituições de Espanha e Portugal, para que os profissionais recebam os créditos pelo trabalho nos seus países de origem.
O programa "Mais Médicos para o Brasil", anunciado esta semana pela presidente Dilma Rousseff, está aliado a um amplo programa que prevê também a ampliação nas vagas dos cursos de medicina, além de investimentos da ordem de 7,5 mil milhões de reais (2,5 mil milhões de euros) na construção e modernização de novas unidades de atendimento médico, até 2015.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: