*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Réplica de Viriato Soromenho-Marques: "sobre o federalismo europeu” (Jornal de Letras, 04.09.2013)

(para ler, clicar sobre a imagem)

Caro Viriato Soromenho-Marques

Ponhamos desde já de lado o excesso retórico – que o levou a qualificar, no seu artigo, a posição “anti-federalista” recorrendo a expressões como “profunda iliteracia política”, “analfabetismo” (“hostilidade analfabeta ao federalismo”) ou “superstição”. Eu próprio tenho também já recorrido a expressões mais excessivas – tenho falado, sobretudo, de “delírio” –, para qualificar aqueles que (ainda) defendem o federalismo europeu.
Escusado será dizer que não me move qualquer hostilidade contra si. Bem pelo contrário. Nunca tendo chegado a ser seu aluno por acaso, sempre acompanhei com o maior respeito intelectual o seu percurso. E não tenho a menor dúvida de que todo o seu afã pró-europeísta é motivado pela melhor das intenções. Julgo, porém, que está errado, como procurarei aqui sustentar.
Antes de mais, desdobro a questão em torno do federalismo em dois planos: no plano do desejável e do possível. A tese que defendo é que, por mais desejável que fosse, o federalismo na Europa não é, de todo, possível. Falo, obviamente, nos tempos de hoje. Na época medieval, para não recuarmos mais, talvez tivesse sido possível (e nunca estivemos tão próximos de uma real unidade europeia como nessa altura, conforme sabe). Hoje, no século XXI, o federalismo europeu há muito que deixou de ser possível. Eis, em suma, a tese que procurarei aqui defender.
Para tal, obviamente, irei contestar os seus argumentos e, sobretudo, os exemplos que dá, nomeadamente quando refere que “a pluralidade cultural de países com os EUA e o Brasil, ou a diversidade linguística da Confederação Helvética, tornariam improváveis, ou inexplicáveis, fenómenos de sociedades, profundamente diversas, com séculos de história comum bem-sucedida”. Qualquer destes três exemplos que refere me parece falacioso, ainda que por razões diversas.
Comecemos pelos Estados Unidos da América. Como o Viriato Soromenho-Marques sabe, bem melhor do que eu, apesar de, como refere ainda, já existir “uma profunda diversidade de religiões e culturas no período dos Pais Fundadores”, a verdade é que havia, não obstante, uma força dominante, que tem até uma sigla bem conhecida: WASP (“White Anglo-Saxon Protestant”). Sem essa força dominante, os Estados Unidos não se teriam tornado, provavelmente, numa federação. Digo até mais: se a correlação étnica e cultural que hoje existe nos EUA, com a força cada vez maior da comunidade hispânica, se verificasse no “período dos Pais Fundadores”, o federalismo norte-americano teria sido impossível.
Quanto ao Brasil e à sua diferença relativamente a toda a restante América Latina, “colonizado principalmente por católicos espanhóis [mas que, apesar disso] se fragmentou numa multidão de Estados soberanos”, isso, a meu ver, prende-se com a especificidade da colonização portuguesa. Sei que esta é uma tese “politicamente suspeita” e que pode ser usada pelas piores razões, mas não deixa, a meu ver, de ser historicamente verdadeira. Por mais que os portugueses tenham também, como os espanhóis, dizimado as populações indígenas e recorrido à escravatura em grande escala, a verdade é que criaram as bases de uma unidade nacional que permitiu, historicamente, que o Brasil não se tivesse fragmentado.
O mesmo se diga, de resto, dos países africanos de expressão portuguesa – não obstante todo o sangue derramado, até bem mais recentemente, a verdade, que pode ser comprovada todos os dias (caso, obviamente, os nossos preconceitos o não impeçam) é que a relação existente entre nós e os povos que colonizámos é bem diferente da relação que (não) existe (ou existe de forma significativamente diferente) entre os outros povos europeus e os demais povos que estes historicamente colonizaram (na África, nas Américas ou na Ásia). E não falo aqui da retórica dos governantes, sempre oscilante conforme os interesses em jogo. Falo do sentimento mais genuíno e generalizado das populações – e que pode ser aferido em exemplos tão prosaicos como a forma como na África lusófona se segue o campeonato português de futebol.
Poderíamos referir igualmente, para reforçar ainda mais a nossa tese, o caso de Timor-Leste, mas, para não nos desviarmos do que está aqui em causa, falemos do terceiro exemplo que o Viriato Soromenho-Marques nos dá: a Confederação Helvética. Aparentemente, é o exemplo perfeito: uma experiência federal (ou, mais exactamente, confederal), bem no centro da Europa, que poderia ser estendida a todo o continente. Esse exemplo é, porém, inteiramente reversível. E, para o demonstrar, não vou sequer defender que a Suíça é uma mera criação do capitalismo financeiro, que tem nos seus bancos a grande razão de ser da manutenção do país. Saliento apenas o preço que a Suíça paga para manter o seu regime político: a “neutralidade”, ou, falando de forma mais clara, a ausência de uma política externa digna desse nome.
De resto, esse é também o meu argumento mais forte contra a possibilidade de um federalismo europeu: mais até do que as diferenças linguísticas, culturais e religiosas. E que se funda na seguinte constatação: havendo já cargos na burocracia europeia que denotariam a existência de uma política externa comum, a verdade é que esta não existe realmente. Há apenas alguns casos – sobretudo no plano económico (o que, por si só, é significativo) – em que essa política externa aparenta existir. Mas, quando se chega ao terreno realmente político, logo as nações europeias (as maiores, sobretudo) divergem: seja porque a sua vocação história é mais marítima ou mais continental, seja porque os seus interesses estratégicos estão mais a norte, a sul, a este ou a oeste, seja, sobretudo, pelo respeito à sua história. Como costumamos dizer, “os países europeus têm demasiado passado para poderem ter um futuro federal”.
A recente intervenção francesa no Mali (que não vou aqui discutir) é bem o exemplo de como a França terá sempre uma política própria face aos países francófonos (e faz muito bem, comento apenas). E o mesmo se diga da Grã-Bretanha perante a “Commonwealth”. E só lamento não poder aqui acrescentar o exemplo de Portugal porque, a meu ver, Portugal não seguiu esses bons exemplos – antes desprezou, nas últimas décadas, a relação com os restantes países e regiões do espaço lusófono, o que, a meu ver, é uma das razões maiores, senão mesmo a razão maior, da situação de extrema fragilidade em que hoje estamos. Foi, para usar um qualificativo da moda, um “colossal” erro geoestratégico que estamos agora a pagar. Não contestamos, para que fique claro, a nossa entrada na então Comunidade Económica Europeia. O que contestamos é a forma como entrámos e o modo como nela nos temos mantido.
Chegados aqui, e apesar de acompanhar o Viriato Soromenho-Marques na justa crítica que faz à “elite governativa incompetente, venal e medíocre” que temos, não há milagres. Nem o tão aclamado Jacques Delors, se hoje tivesse o cargo que teve, o conseguiria. De resto, foi Delors que enunciou a teoria (a célebre teoria da bicicleta, que cito de memória: “a Europa é como uma bicicleta – ou avança continuamente ou cai”) que nos levou a este beco sem saída. Como se não fosse justamente o contrário: entre os povos, como entre as pessoas, muitas das relações subsistem porque não se aprofundam (se se aprofundassem, deixaria de haver relação). Esse é, de resto, o risco que agora corremos. Se a Europa se tivesse mantido como um mero espaço de cooperação económica, como nunca deveria ter deixado de ter sido apenas, não se falaria agora do risco de desagregação. Com a fuga em frente em prol da “União Política” é que podemos correr esse risco. Se bem que, a meu ver, a inevitável desagregação política não porá em causa a cooperação económica. Esta acabará sempre por se manter, desde logo por razões de proximidade geográfica.
E não se diga, para finalizar, que é a impossibilidade de uma real união política a causa do menor sucesso económico da Europa. O declínio económico europeu seria sempre inevitável face à igualmente inevitável emergência de novas potências. Não seria o federalismo europeu que iria manter a hegemonia europeia sobre o resto do mundo. Com a generalização da tecnologia, a cada vez maior concorrência global, a nossa perda relativa de competitividade e a nossa consequente desindustrialização, esse declínio era realmente inevitável. Há, pois, que encará-lo com toda a naturalidade, procurando, tão-só, minorar os danos. E deixarmo-nos, de vez, de ilusões: o relativo sucesso económico europeu na segunda metade do século XX, que levou alguns a alimentar a quimera do federalismo, deu-se num contexto muito específico. Não só económico como, sobretudo, político: ora, já não existe a “ameaça” do gigante soviético e a Alemanha, naturalmente, já não aceita ser o anão político que foi durante esse meio século. Sejamos, pois, realistas. Em geopolítica, não há milagres.

Com os melhores cumprimentos
Renato Epifânio
Presidente do MIL: Movimento Internacional Lusófono

4 comentários:

O Escravisauro disse...

Embora desconhecendo o texto de Viriato Soromenho Marques (por quem nutro estima intelectual), concordo inteiramente com o conteúdo desta carta de resposta.

Na minha juventude alimentei uma deriva federalista europeia, alimentada em parte por visões bacocas de patriotismo em meu redor e noutra parte por um grande entusiasmo pelo processo de integração europeia, que vivia, na década de 90, melhores tempo.

Hoje, só posso considerar que topo o movimento político que promova um ainda maior afastamento dos centros de decisão do nosso território será sempre prejudical para os que habitam esse mesmo território. A História prova-o incessantemente. Desde a união dinástica com os Filipes, que levou a que os destinos do império português fossem decididos a partir das prioridades de Madrid (de notar que muitos portugueses bem intencionados acharam nessse tempo que essa era a melhor opção para Portugal; até à união monetária que transferiu boa parte da nossa soberania económico-financeira para Frankfurt/Berlim.

Meu caro Viriato, gostaria sinceramente de ainda ser o europeista romântico que já fui. Mas a realidade é inequívoca. Negá-la, num raciocinio intelectual abstracto, é falacioso. Para nós como indivíduos e como nação. A nossa história atlanticista é incompatível com o centralismo continental que, inexoravelmente, domina esta União Europeia e dominaria uma Federação Europeia.

Não quero com isto dizer que devemos sair da União. Nada disso. Mas mil cautelas. Temperemos sempre o nosso estatuto de nação europeia com o nosso interesse de nacão atlântica. E afastemo-nos, por favor, de ingenuidades federalistas.

força nacional disse...

Um pode falar de federalismo europeu e dizer coisas muito distintas. Um pode defender o federalismo europeu para reclamar Olivença e pôr fim a trapalhada de quase todas as cimeiras ibéricas.
Neste artigo
http://www.vilaweb.cat/mailobert/4140584/atencio-comenca-compte-enrere.html
defende-se o federalismo europeu como uma forma de garantir a independência da Catalunha. Melhor dito independência da Catalunha é igual a federalismo europeu.
Federalismo pode ser muita coisa, os dous autores acho que tenhem razões... mas o Federalismo do Viriato não garante um futuro certo
para Portugal, o federalismo que defendem na Catalunha sim, mas acho que o Viriato federalista europeu, usaria esse federalismo para dizer não a um estado catalão... ainda que isso é do maior interesse de Portugal

Alexandre

VIRGÍLIO CARVALHO disse...

Neste momento, além de interessado em saber como seria a condição de Portugal fora do €uro, embora permanecesse na União Europeia, estou mais interessado na construção de uma verdadeira «União Lusófona» e do que é preciso fazer para isso. Designadamente em relação ao modelo confederativo que essa «União» exigiria e no modo de divulgar este projecto e verdadeira «utopia positiva».

´SÉRGIO RITA disse...

NADA NEM NINGUEM PODERIA EXPRESSAR MELHOR A OPINIÃO LUSOFONA DO QUE O RENATO.
OBRIGADO PELO SACRIFICIO E DEDICAÇÃO QUE TENS DADO CARO AMIGO, E POR ESTARES SEMPRE PRONTO A DAR O TEU TESTEMUNHO EM PROL DA VERDADE, DENTRO E FORA DA LUSOFONIA.
SE NÃO APARECESSM PROFETAS QUE APENAS MANIFESTAM OPINIÃO, ENTÃO NADA HAVERIA PARA COMBATER.
LEMBRO DE ALGUMAS FRASES EM QUE SE DIZIA MEIA VERDADE, MAS E S+O, FORAM INTERPRETADAS COMO BASES SINGULARES DE AGRESSÃO.
AQUELA FRASE SEM VIRGULAS E COM VIRGULAS.........
TODOS PODERIAMOS TER UMA VIDA MELHOR SE ALGUNS GOVERNANTES PORTUGUESES, E NÃO SÓ, TIVESSEM SABIDO GUARDAR E ESTIMAR OS GRANDES VALORES E OPORTUNIDADES QUE TERIAM SIDO A BOA ADMINISTRAÇÃO DOS BILIÕES QUE NOS FORAM DADOS........ PELA CONJUNTURA DA CEE, HOJE UE.
VAMOS PARAR E PENSAR ONDE ESTÃO OS BILIÕES.........