*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sábado, 1 de junho de 2013

Os “palhaços”

Cada vez mais, o debate político em Portugal circunscreve-se a falsas querelas – o que é, decerto, um dos sinais maiores da verdadeira crise em que estamos.
A mais recente dessas falsas querelas opõe Cavaco Silva e Miguel Sousa Tavares, que se referiu ao primeiro como um “palhaço”. A querela irá agora dirimir-se em tribunal – o que, num país em que os tribunais estão literalmente soterrados, sem conseguir dar resposta em tempo útil, constitui, também literalmente, uma palhaçada.
Uma palhaçada tem sido também o debate que se tem gerado em torno desta querela, dado o empenho, de muita gente, em defender que Cavaco Silva, enquanto Presidente da República, tem sido diferente dos seus antecessores, merecendo por isso o epíteto.
Nunca tendo votado em Cavaco Silva, constato o óbvio: ele não tem sido menos isento partidariamente do que foram, por exemplo, Mário Soares e Jorge Sampaio. Por isso, sejamos coerentes e consequentes: se criticamos, como podemos e devemos criticar, Cavaco Silva por estar refém do sistema partidocrático e a dar, por isso, cobertura política a um Governo do seu partido de sempre, então estendamos a nossa crítica.
Para quem tem memória curta (e parece que são cada vez mais), Mário Soares, enquanto Presidente da República, não descansou enquanto não teve um Primeiro-Ministro do seu partido de sempre, António Guterres, e o mesmo se diga de Jorge Sampaio relativamente a José Sócrates. Não nos venham pois impingir a ideia de que Cavaco Silva é realmente diferente dos seus antecessores. Politicamente, não há a menor diferença substantiva.
Por isso, a crítica que há a fazer não é a Cavaco Silva em particular mas ao nosso sistema político, que tem impedido a eleição de um Presidente da República não refém da partidocracia. Essa é que é a questão – afirmo-o e reitero-o, acrescentando o seguinte: sou, no plano dos princípios, convictamente republicano, mas começo a perder a esperança de conseguirmos algum dia eleger um Presidente da República realmente independente dos jogos partidários. Se perder essa esperança de vez, só me resta tornar-me monárquico. Espero que isso não aconteça.
Renato Epifânio
Publicado em:
http://democracia-em-movimento.blogspot.pt/2013/05/opiniao-d-os-palhacos.html

Sem comentários: