*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quarta-feira, 20 de junho de 2012

É preciso "eliminar desequilíbrios para consolidar a paz" - Ramos-Horta


Ex-presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta


O antigo Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta disse em entrevista à agência Lusa que o futuro Governo tem de representar todas as regiões do país e eliminar desequilíbrios para consolidar a paz e a unidade nacionais.

"Para consolidar a paz e a estabilidade temos de eliminar completamente, pelas nossas ações e decisões políticas, qualquer perceção de privilegiar um determinado grupo ou outro, uma determinada região ou outra", afirmou José Ramos-Horta.
"A nova constelação política tem de ser cuidadosamente pensada para que contribua para de uma vez para sempre eliminar qualquer perceção, por parte de uma região ou outra, que está sendo preterida pela liderança política", disse o ex-Presidente timorense.
Para Ramos-Horta, o país tem necessidade de uma "constelação que reforce a coesão e unidades nacionais".
Recordando o conflito político e militar de 2006 que criou a divisão Loromono/Lorosae (províncias ocidentais e orientais), o antigo chefe de Estado disse que o próximo primeiro-ministro, se não tiver maioria absoluta, tem de fazer uma abordagem de formação de Governo em que todos se sintam representados e que inclua todas as regiões.
Timor-Leste realiza a 07 de julho eleições legislativas às quais concorrem 21 partidos e coligações, que se encontram em campanha eleitoral até 04 de julho.
Sobre a campanha eleitoral, Ramos-Horta disse que está "calmíssima", mas que o "tom" deverá subir quando se estiver mais próximo do dia eleitoral.
Segundo o ex-Presidente, que já manifestou apoio ao Partido Democrático (PD, de Fernando La Sama Araújo), há também um interesse nacional para que a campanha eleitoral decorra sem incidentes, sublinhando que o povo já foi vítima por várias vezes da imaturidade e irresponsabilidade dos líderes.
"Todos têm essa consciência, todos constatam essa necessidade, por isso, na minha conversa, diálogo, com os mais variados líderes dos vários quadrantes timorenses nos últimos meses (...) já havia predisposição para se trabalhar de mãos dadas", disse.
MSE.
Lusa/Fim

Sem comentários: