*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Foi há 49 anos...

Da Memória... José Lança-Coelho

O ‘SANTA MARIA’ E UM DIA DE AULAS A MAIS

Quem é que, quando era estudante, não lhe sabia bem, uma falta dada por um professor? Creio que ninguém. Pelo menos a mim, saía-me a sorte grande! Então, e se em vez de uma aula, fosse uma tarde inteira? Bem, isso era o paraíso! Parafraseando o filósofo Agostinho da Silva, «O Homem não foi feito para trabalhar».
Serve esta introdução para falar de um episódio da minha longa vida de estudante que, me ficou atravessado como uma enorme espinha na minha garganta.
Andava eu no meu 2º ano (o actual 6º de escolaridade), estávamos em 1961, quando Henrique Galvão e o seu comando se apoderaram do navio ‘Santa Maria’, com o objectivo de chamar a atenção do mundo para a ditadura existente em Portugal.
Henrique Galvão, um antigo membro das forças armadas portuguesas de que fora expulso em 1952, depois de ocupar altos cargos no regime, preso pela PIDE em 1958 e que conseguira fugir no ano seguinte, acabara de entrar em rota de colisão com o ditador Salazar, tomou o navio ‘Santa Maria’ e, durante dias, aquele espaço a boiar sobre as águas do oceano foi uma dor de cabeça para o chefe do Estado Novo que, parece ter pedido a ajuda da marinha norte-americana para afundar o barco.
Os americanos acabaram por não se meter e, Galvão por entregar o ‘Santa Maria’, uma vez que já cumprira os objectivos a que se propusera.
Salazar fez, então, uma hipócrita operação de charme apoiada nos ‘medias’, e assim, apareceu numa televisão tão cinzentona como o regime, a proclamar aos quatro ventos, com a sua execrável voz de seminarista falso: “Portugueses, o ‘Santa Maria’ está connosco!”
O que me interessava a mim, que tinha dez para onze anos, e a milhares de portugueses, que o ditador tivesse recuperado o navio? Absolutamente nada! No entanto, a chegada do ‘Santa Maria’ a Lisboa, dias depois, já teve imenso interesse, porque o Estado Novo, continuando a sua campanha de cosmética e de propaganda, autorizou que todos os estabelecimentos de ensino encerrassem de tarde, para que alunos, professores e contínuos pudessem visitar o pedaço de Portugal que tinha sido raptado.
Claro que todos os meus amigos de Paço de Arcos que frequentavam o Liceu de Oeiras, tiveram uma tarde de férias. E se fazia sol!, lembro-me bem. E essa recordação inesquecível vem-me do facto, de eu, ter de ‘gramar’ uma tarde de aulas, ainda mais chata que o habitual, pois sabia que todos os meus amigos estavam à boa vida.
Daqui conclui-se que, neste ano, eu não frequentava um estabelecimento de ensino oficial, mas sim um colégio particular, mais precisamente os Salesianos no Estoril, onde não havia feriados para ninguém.
E ainda dizem que a Igreja Católica estava de mãos dadas com o Estado Novo! Aldrabões! Pelo menos neste caso não esteve.
Os ‘padrecas’ roubaram-me um dia de férias! Nem ‘Santa Maria’ me valeu!

Sem comentários: