*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quarta-feira, 20 de junho de 2018

SEM MAIS JORNAL 18JUN16 - O DIABO NO SPORTING

Ser sportinguista neste período é difícil e conturbado, nunca nos encolhemos a opinar e confrontar práticas desonestas e defendendo sempre princípios e valores mais nobres desportivos e os quais estão na génese da fundação do Sporting Clube de Portugal. Há vários anos fui alertando que introduzir os modelos de gestão de SAD’s com mentalidades e regras do amadorismo reinantes nos clubes desportivos, um dia seria prejudicial para uma qualquer instituição, não pensei que tão rapidamente o Sporting fosse vitima de uma situação desta natureza. Um cidadão que há anos não é exemplo como empresário, pode-se constatar em entrevista ao próprio, que chega a presidente de uma instituição mui nobre, obviamente que o futuro estaria comprometido. Estaremos sempre na linha frente no combate à corrupção, à desonestidade desportiva e no pedido de responsabilidades a qualquer dirigente desportivo. Há muito defendemos que um dirigente desportivo, nomeadamente em instituições de reconhecido mérito de Utilidade Pública, deve apresentar uma declaração patrimonial ao iniciar funções e outra após cessar funções. Assim, há transparência no exercício dos cargos desportivos. A nossa preocupação é imensa e ainda sem cenários de futuro consistente, não temos dúvidas que as próximas semanas e meses no Sporting Clube de Portugal são graves e destruidores da instituição, culminarão convictamente com prisão de mais alguns protagonistas, no entanto a calamidade do clube é imensa. Da nossa parte, estamos empenhados em eliminar várias ervas daninhas que têm prejudicado em muito o clube, incluindo aqueles que andam sempre nos pingos da chuva a apoiar tudo e todos para manter regalias de vaidade. O Sporting precisa de uma liderança corajosa e sem telhados de vidro com gente séria e disponível com a motivação e lealdade para enfrentar as dificuldades dos próximos anos. Ser dirigente do Sporting não é preciso ser rico nem é para enriquecer. Como se afirma em certos momentos sociais: estamos na luta e vamos ao combate.

Sem comentários: