*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Cabo Verde – Marinha portuguesa realiza trabalhos científicos


O navio hidrográfico da Marinha D. Carlos I, com uma equipa do Instituto Hidrográfico embarcada, encontra-se atracado no porto do Mindelo, Cabo Verde, para realizar trabalhos de recolha de informação do fundo naquela região.

Estes trabalhos, actualmente a serem realizados no Porto Novo, permitirão a Cabo Verde “actualizar a sua cartografia náutica e assim incrementar a informação de segurança marítima a disponibilizar aos navios e embarcações que navegam na região e visitam os seus portos comerciais”, explica um comunicado da Marinha Portuguesa.

Antes de atracar no Mindelo, o NRP D. Carlos I realizou trabalhos para a recolha de informação do fundo nas ilhas da Boavista e do Sal, em específico nos portos de Sal-Rei e da Baía da Palmeira.

O navio da Marinha irá ainda, com recurso à tecnologia de ponta multifeixe instalada a bordo, realizar o levantamento hidrográfico do canal de São Vicente e de um banco a noroeste da ilha de Santo Antão, que permitirá obter informação com cobertura total do fundo.

Cooperação com Guarda Costeira de Cabo Verde

Também a guarnição do navio estará envolvida em acções de cooperação com os militares da Guarda Costeira de Cabo Verde, em especial no âmbito da partilha de informação nas áreas da emergência médica e suporte básico de vida e áreas técnicas da manutenção e operação de máquinas marítimas, acrescenta o mesmo comunicado.

Terminados estes trabalhos de natureza científica, o navio ainda irá visitar o porto da Praia em 28 de Novembro, para participar num seminário sobre segurança marítima, o qual contará com a presença de responsáveis militares e políticos da área da defesa de Portugal e Cabo Verde.

Os trabalhos de natureza científica, e demais actividades paralelas realizadas pela Marinha, inserem-se no conjunto de acções de cooperação técnico-militar entre Portugal e Cabo-Verde, no âmbito da iniciativa Mar Aberto 17 e que decorre sob égide da Direcção-Geral de Política de Defesa Nacional (DGPDN). João Borges – Portugal in “Agricultura e Mar Actual”

Sem comentários: