*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

domingo, 4 de junho de 2017

Raul Brandão renascido?


É um lugar-comum mas não deixa por isso de ser verdade: o passado está constantemente a refazer-se a partir do presente. E isto em todos os planos: do político ao cultural. No plano político: imaginemos, por exemplo, que Salazar tinha “caído da cadeira” uma década antes. Decerto, a sua imagem pública seria hoje bem menos fracturante.


No plano cultural, os exemplos serão ainda mais eloquentes. Há mil e uma figuras cujo reconhecimento público só adveio após a morte, nalguns casos de forma tão avassaladora que vieram a eclipsar outras figuras suas contemporâneas no seu tempo bem mais afamadas.

Fernando Pessoa será, a esse respeito, um exemplo paradigmático, provavelmente o exemplo mais paradigmático do nosso século XX. Se não é verdade que, como reza a lenda, no seu funeral estivessem apenas meia dúzia de pessoas (e há até fotografias que o comprovam), de facto, quando faleceu, Fernando Pessoa estava muito longe de ser o maior ícone cultural português do último século, como depois se veio a tornar.

E de tal forma avassaladora que Pessoa veio a eclipsar outras figuras suas contemporâneas, desde logo muitos dos seus companheiros de estrada de “Orpheu”. O próprio fenómeno “Orpheu”, globalmente considerado, pelo efeito retroactivo da fama póstuma de Pessoa, teve também essa consequência. Ainda hoje, há quem insista em contrapor o “Orpheu” à “Águia” como quem contrapõe o futuro ao passado.

Teixeira de Pascoaes, como sabemos, ainda hoje sofre esse estigma, tão generalizado quanto ignorante: o de representar o passado face ao “futurista” Pessoa. Mas Pascoaes conseguiu sobreviver bem a isso, tal a grandeza das figuras que o defenderam em vida e após a morte. Se houve poeta filosoficamente valorizado, mesmo em comparação com Pessoa, foi, de resto, Pascoaes. Apenas um exemplo: as centenas de páginas que o filósofo José Marinho lhe dedicou, entretanto coligidas no volume “Teixeira de Pascoaes, Poeta das Origens e da Saudade” (INCM, 2005) constituem, ainda hoje, um marco inultrapassado.

Já Raul Brandão é um caso diferente. Num texto recente (Público, 15,03.2017), Luís Miguel Queirós qualificou Brandão, a nosso ver de forma certeira, como “a outra modernidade que a geração de Orpheu ensombrou”. Oxalá este Colóquio (“Primavera eterna: nos 150 anos do nascimento de Raul Brandão, no centenário da publicação de Húmus”, Palácio de Seteais, 25-27 deMaio de 2017) ajude a alterar esse panorama, trazendo de novo à luz, já no século XXI, uma das estrelas maiores do nosso firmamento literário.

No seu vigésimo número, a ser lançado no segundo semestre do presente ano, a “Nova Águia: Revista de Cultura para o século XXI”, que dirigimos, procurará igualmente contribuir para esse desiderato, dando o devido destaque a Raul Brandão e à sua obra – mas não apenas a Húmus, que por vezes parece também eclipsar, injustamente, toda a obra restante. De igual modo, podemos desde já antecipá-lo, teremos ainda uma série de textos sobre José Rodrigues, autor da capa do primeiro número da “Nova Águia”, falecido há menos de um ano, e D. Francisco Manuel de Melo, outro autor que vale bem a pena recordar, por ter sido, também ele, um autor “eclipsado”: no caso, pelo “Imperador da Língua Portuguesa”, Pe. António Vieira.
 

Sem comentários: