*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Uma visão de futuro para a área da Cultura


A Cultura deveria ser uma área transversal por excelência. Assim, havendo um Ministério da Cultura, como defendemos, este deveria agir em estreita convergência com outros – nomeadamente: o da Educação e Ensino Superior, o dos Negócios Estrangeiros e mesmo com o da Economia, dado todo o potencial económico desta área.
No plano cultural, dever-se-á privilegiar a relação com os restantes países e regiões do amplo espaço de língua portuguesa, procurando promover uma comum cultura lusófona – necessariamente plural e polifónica, ou, para usar um termo que tem tudo a ver com a nossa história, “mestiça”.
Outra das apostas deveria ser a defesa do nosso património – dentro e fora das nossas fronteiras (sendo que, neste último caso, isso teria que ser feito, obviamente, em concertação com as autoridades respectivas). Para tal, dever-se-á, sem complexos, recorrer a apoios privados, sob a forma de patrocínio e/ou mecenato, sendo certo que, sobretudo nesta área, o Estado terá que ter sempre o papel primacial, desde logo na seriação das mais acertadas prioridades.
A valorização, sem complexos, da nossa história não deve passar apenas pela preservação do património. Sendo o cinema, como se sabe, uma das formas de expressão cultural com maior impacto nos nossos tempos, o Estado deveria, por exemplo, apoiar a realização de filmes sobre a nossa história, promovendo assim uma maior consciência histórico-cultural entre todos os portugueses, particularmente deficitária entre os mais jovens.
Daí, também, a necessidade de uma estreita convergência entre as áreas da Cultura e da Comunicação Social. É escandaloso que o chamado “Serviço Público de Televisão” continue a desprezar, de forma tão flagrante, a nossa Cultura. A Rádio Televisão Portuguesa deveria passar a ser pois tutelada pelo Ministério da Cultura, de modo a que o “Serviço Público de Televisão” passasse a ser realmente cumprido. Nesta área, os canais da RTP África e da RTP Internacional devem não só ser mantidos como reforçados, à luz dessa aposta estratégica na convergência lusófona.
No espaço europeu e ocidental, devemos, pois, resistir a uma uniformização cultural que tem feito tábua rasa das especificidades culturais de cada um dos países e regiões, em prol da afirmação hegemónica da cultura anglo-saxónica em geral e norte-americana em particular. A própria União Europeia deveria ter, nesta frente, um papel bem mais afirmativo, defendendo, com muito maior vigor, as particularidades da nossa cultura. Também aqui devemos, em suma, articular o eixo europeu e o eixo lusófono: só assim, defenderemos, numa visão de futuro, a nossa cultura.

2 comentários:

Anónimo disse...

Caro Renato
Pois aqui estão algumas vias, mas na minha opinião, torna-se necessário que a lusofonia faça mais pela cultura comum. A dispersidade é enorme e a unidade que se tenta aqui ou ali é movida quase sempre por interesses económicos e não culturais. Acontece no teatro, na música, na literatura...
Há uma cultura unitiva dos povos lusófonos, mas na generalidade, quando é pensada em conjunto acentua-se a sua componente distintiva e assim é difícil chegar a uma compreensão mútua.
Os argumentos em que se suportam as reflexões culturais dos povos lusófonos são quase sempre importados de tradições que nada têm a ver com ela - como a da europa culta ou dos EUA capitalistas.
Era necessário uma plataforma que recolhesse e desse a conhecer os diversos projectos comuns na área cultural, todos eles... pois se as figuras de relevo não têm falta de visibilidade e portanto o que se divulga é sempre mais do mesmo - aquilo que ´we sobejamente conhecido -, os projectos locais que verdadeiramente interessam ás pessoas concretas, porque nem têm à sua frente gente mediática, nem meios de divulgação, continuam no anonimato. E é na multiplicação unitiva destes pequenos e parcos projectos, abandonados à carolice de um punhado de visionários, que um projecto cultural comum poderá encontrar as raízes distintivas da sua universalidade.
ab
Artur Manso

Korsang di Melaka disse...

Caro Renato
O texto é abundante para ser comentado à letra.
Cultura e Património não se podem limitar a ministérios, nem a privados ..., são a base que definem as comunidades construidas pelos povos. Certo é que a mundialização desordenada muito tem contribuido para o seu desaparecimento.
A cultura e o património ao longo dos milénios foram construidos pelas comunidades, de diferentes povos do mundo, que trocaram saberes, língua, religião, negociaram e ainda hoje muitas comunidades sobrevivem das trocas.
A sustentabilidade das comunidades passa pela defesa das culturas e do património, pelo respeito multicultural, passado pelas gerações em casa, na escola, nas instituições sociais, religiosas, politicas, nas empresas, nas autarquias, reguladas com o apoio de Fundações, Governos, U.E e UNESCO.
Só assim nesta dimensão se pode fortificar a cultura e defender o património como pertença de todos os povos.
Luisa Timóteo