*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

terça-feira, 3 de março de 2015

Governo moçambicano retira nível máximo de alerta para cheias

Governo moçambicano retira nível máximo de alerta para cheias


O Governo de Moçambique retirou hoje o nível de alerta máximo para as cheias no centro e norte do país e baixou-o de vermelho para laranja, assegurando que vai manter o apoio às famílias atingidas pelo desastre.

"Das informações que nos são dadas pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, verificou-se um abrandamento das condições meteorológicas e há uma melhoria do comportamento das albufeiras, quer a nível nacional quer a nível dos países a montante", justificou o vice-ministro da Saúde e porta-voz do Governo, Mouzinho Saide, no final do Conselho de Ministros hoje em Maputo.
Apesar da redução do nível de alerta, o Governo moçambicano vai manter todas as atividades inerentes ao apoio das pessoas afetadas, tal como a vigilância em relação as condições meteorológicas, acrescentou.
Moçambique é ciclicamente assolado por cheias durante a estação chuvosa, que tem o seu pico entre janeiro e fevereiro, por se localizar a montante de algumas das principais bacias hidrográficas da África Austral, e as enxurradas têm sido acompanhadas por epidemias de cólera, que provocam dezenas de mortes.
Pelo menos 160 pessoas morreram e mais de 188 mil foram afetadas pelas cheias, em janeiro passado, nas províncias do centro e do norte do país.
Só na Zambézia, 137 pessoas morreram, 64 foram dadas como desaparecidas e mais de 40 mil perderam as suas casas, em resultado das cheias, que alagaram campos agrícolas, destruíram salas de aulas, estradas, pontes e a rede elétrica.
Paralelamente aos estragos provocados pelas cheias, um surto de cólera eclodiu nas províncias assoladas pelas enxurradas, matando pelo menos 37 de um total de 2.903 de doentes.
Na semana passada, as autoridades da Zambézia voltaram a ficar em alerta máximo, depois da subida repentina do caudal do rio Licungo, que ameaçou novo transbordo, mas nos últimos dias o nível das águas começou a descer.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: