*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

domingo, 9 de novembro de 2014

Ex-ministra timorense afirma que já tinha denunciado irregularidades no sistema judicial

Ex-ministra timorense afirma que já tinha denunciado irregularidades no sistema judicial


A ex-ministra da Justiça de Timor-Leste Lúcia Lobato disse hoje que já tinha alertado para irregularidades no sistema judicial timorense, exemplificando com o seu processo por corrupção, que culminou com a demissão do ex-presidente do Tribunal de Recurso.

"Desde o início da fase de investigação, de acusação, no julgamento, até à minha prisão alertei toda a gente, os políticos cá em Timor, a comunicação social, que, de acordo com o meu conhecimento e a minha experiência, o processo estava a correr mal, o sistema não estava a funcionar, mas ninguém ligou à situação", afirmou Lúcia Lobato, em entrevista à agência Lusa.
"O julgamento não correu como deve ser e isto foi comprovado com o pedido de demissão do antigo presidente do Tribunal de Recurso, que é a última instância no nosso país, Cláudio Ximenes", sublinhou.
Lúcia Lobato foi condenada em 2012 a cinco anos de prisão por participação económica em negócio por prejuízo ao Estado timorense de 4.200 dólares, tendo recebido a 30 de agosto um indulto do Presidente timorense, Taur Matan Ruak.
Cláudio Ximenes, juiz em Portugal, demitiu-se de funções em fevereiro deste ano, tendo afirmado, na altura, que deixava de exercer funções como presidente do Tribunal de Recurso por não querer contribuir para "vinganças pessoais".
"Durante o processo no qual fui condenada alertei para o facto de que os tribunais, particularmente juízes internacionais a exercer funções em Timor-Leste, tinham praticado diversas irregularidades jurídicas na condução do processo", afirmou Lúcia Lobato num comunicado enviado à agência Lusa já após a entrevista.
No comunicado, Lúcia Lobato referiu um e-mail enviado pelo "juiz internacional Rui Penha, no dia 31 de janeiro de 2013, em que este confessa que a juíza Maria Natércia Gusmão ameaçou o juiz internacional Luís Goia com a não renovação do seu contrato caso este libertasse a ex-ministra da Justiça como pretendia fazer através da aceitação do habeas corpus".
"Neste mesmo e-mail o mesmo juiz internacional Rui Penha confessa ainda que os coletivos de juízes que apreciaram o caso, foram por eles organizados, envolvendo também o juiz internacional Cid Orlando, por forma a obter a minha condenação e a fim de credibilizarem a sua posição junto dos juízes timorenses, desrespeitando os mais básicos princípios de isenção em clara violação da lei", salientou a ex-ministra, no comunicado.
Para Lúcia Lobato, o e-mail "prova também aquilo que a defesa sempre alegou: que os juízes do Tribunal de Recurso nunca apreciaram este processo de forma isenta, mas que se organizaram para, contra a lei" a condenarem.
A Lusa está a tentar contactar os visados destas acusações.
"Agora é altura de se fazer uma avaliação séria ao setor da justiça para ir ao encontro das necessidades e deve ser feita por uma comissão independente composta por pessoas ou entidades que conheçam o setor, por juristas, para que a avaliação seja boa", afirmou Lúcia Lobato.
Segundo a ex-ministra, mediante o resultado, o Estado deve tomar decisões políticas para a reformar o setor da justiça e reforçar as instituições existentes.
"Esta é a minha ideia e acho que os timorenses devem colaborar, devem contribuir o máximo possível para melhorar o sistema e não derrubar o sistema", disse, sublinhando que já é altura de corrigir os erros e reforçar o setor judicial para que os tribunais façam justiça e as pessoas acreditem nos tribunais.
O debate sobre o sistema de justiça em Timor-Leste surgiu após a decisão do parlamento e do Governo timorenses de suspender os contratos com todos os funcionários judiciais internacionais alegando motivos de interesse nacional e a posterior expulsão de oito deles, sete portugueses e um cabo-verdiano, porque aquela ordem não foi acatada.
O governo timorense anunciou ainda uma auditoria ao sistema de justiça do país. Segundo o primeiro-ministro, Xanana Gusmão, os tribunais falharam em questões de interesse nacional, como foi o fracasso, em primeira instância, dos processos judiciais de Timor-Leste contra as petrolíferas que exploram os recursos do país.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: