*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

terça-feira, 14 de maio de 2013

Cabo Verde espera o apoio da CPLP na candidatura da Morna a Património da UNESCO

A embaixadora de Cabo Verde em Lisboa, Madalena Neves, disse hoje contar com "todos os países da CPLP" no apoio à candidatura da Morna a Património Imaterial da UNESCO.
A diplomata falava à margem da assinatura do "Livro de Honra de Apoio à Candidatura", durante a abertura do da segunda edição do Festival Jovem da Lusofonia, organizada pela Associação "IUNA + Lusofonia", que decorre na cidade de Aveiro até ao próximo dia 26.
"A Lusofonia é a nossa casa e esperamos poder fazer esta caminhada em conjunto com todos os países da CPLP. Contamos também com todas as comunidades cabo-verdianas espalhadas pelo Mundo, que são os embaixadores de Cabo verde onde se encontram, e vão ter um papel importante na divulgação e mobilização de apoios", disse à Lusa.
Madalena Neves antevê que a candidatura não vai ser fácil, mas mostrou-se confiante de que contará com os "amigos de Cabo Verde" e os apreciadores daquela música: iremos trabalhar com todos que apreciam a Morna e que acompanharam os nossos artistas, particularmente a Cesária Évora, que esteve em todo o Mundo a honrar a nossa música".
Para a representante de Cabo Verde em Portugal, a candidatura celebra a Cultura, a História e a vivência das comunidades de Cabo Verde no Mundo, sendo também uma forma de partilhar o que de melhor os caboverdeanos têm.
"Queremos que seja um processo partilhado e daí a inclusão deste momento neste Festival da Lusofonia, que marca também a construção da CPLP", justificou.
Humberto Lima, presidente da comissão científica da candidatura e do Instituto do Património Cultural de Cabo Verde, salientou que "a Morna é uma manifestação cultural transversal a todo o caboverdeano, não só internamente" como fora do país.
"A Morna começa a ganhar dimensões internacionais quando a vemos ser cantada por um alemão ou uma japonesa e daí o Ministério da Cultura, aproveitando o empenho de todo o povo ter proposto a candidatura da Morna a património da Humanidade", disse.
Humberto Lima explicou que foram constituídas duas equipas para servirem de base à candidatura à UNESCO: a comissão de honra e a comissão científica a que preside.
"Antes disso tivemos de classificar a Morna como património nacional, tendo em conta que é uma das manifestações culturais que é transversal a todo o caboverdeano. Vamos primeiro fazer trabalho de investigação e de recolha do máximo de informações, apresentar todas as manifestações culturais que temos, relacionadas com a Morna e tentar levar a Morna a outros públicos, como às universidades e às escolas", disse.
Outra vertente do projeto é fazer uma ampla divulgação da Morna com concertos e valorizar os festivais de Morna que já se realizam em São Nicolau, na Boavista e na Brava, descreveu.
Integradas na segunda edição do Festival Jovem da Lusofonia foram inauguradas hoje as exposições "Um Olhar Sobre os Artistas Lusófonos", "FADO" e "UCCLA - Lusofonia em Desenvolvimento".

@SAPO Timor-Leste

Sem comentários: