*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

domingo, 9 de setembro de 2012

Ainda sobre Chico Buarque


“PARA TODOS” OS NORDESTINOS

Embora não pareça, ou nos passou despercebido, o compositor Chico Buarque de Hollanda cantou e recantou o nordeste brasileiro. Seu primeiro contato com nossa região foi quando musicou a peça “Morte e Vida Severina” de João Cabral de Melo Neto, território, até então, completamente desconhecido por ele, fato que levou o artista, em começo de carreira, a pesquisar o lugar.
Defensor das causas sociais, grande observador das cidades, um verdadeiro flâuner, Chico acompanhou de perto o desenvolvimento acelerado dos grandes centros, exatamente, na época do “milagre econômico brasileiro”.  Em São Paulo onde ele acompanhou a demolição da antiga capital do café e a substituição imediata de novas e modernas construções, viu o operário “Pedro Pedreiro” esperar e pegar o trem no subúrbio paulistano com destino ao mundo do trabalho pesado, e subir a construção como se fosse máquina, erguer paredes mágicas, sentar para descansar como se fosse um príncipe, comer feijão com arroz como se fosse o máximo, e tropeçar no céu como se fosse um bêbado, embriagado de trabalho, de cimento e de lágrimas, tropeçar no céu dos seus sonhos nunca realizados, porque nunca chegou a ser nada, o máximo que conseguiu ser foi sempre o “como se fosse” e nunca foi, e acaba morrendo como um estorvo, atrapalhando o tráfego, o público e o sábado.  
Ao pegar carona na “Caravana Holiday de Bye, Bye Brazil,” Chico Buarque se manda de trenó pra Rua do Sol Maceió, pega uma doença em Ilhéus, e com as bênçãos do seu Orixá acha bauxita no Ceará. E segue por um nordeste mudado, urbanizado e televisionado dos meados da década de 1970. Depois imagina ser uma violeira nordestina que sonhou desde menina no Rio ir morar, passa por Sergipe, Pernambuco, Paulo Afonso, Fernando de Noronha e o Sertão do Ceará, mesmo enfrentando muita tormenta chega enfim em Ipanema onde finca residência, sem vontade de voltar.
Em “Para Todos” surge um Chico neto de pernambucano e trineto de baiano que exalta o pernambucano Luiz Gonzaga, os baianos Dorival Caymmi, Gil, Caetano, Bethania, Gal e João Gilberto, e o paraibano Jackson do Pandeiro, revelando a miscigenação brasileira dentro do próprio país, não importando a naturalidade, mas sim, a genialidade, pois, o artista pode ser paulista, pernambucano, cearense ou baiano, na verdade, ele é um cidadão do mundo que “vai na estrada há muitos anos é artista brasileiro”.

Fortaleza, 08 de junho de 2012.
Cristina Couto.

Sem comentários: