*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

De Agostinho: para uma "Confederação de povos de língua portuguesa"


“O que o mundo espera”[1]

Poderia um Portugal que tivesse sido inteiramente fiel, e nunca se é fiel senão quando se é inteiramente fiel, à sua vocação de se descentralizar e de se transportar, na sua acção e no seu espírito, para além do mar, poderia um Portugal, com o seu centro administrativo em terras de África, provocar a formação da terceira força capaz de desfazer a antinomia que se levantou no mundo, e se levanta em cada espírito individual, entre o bloco soviético, que traz consigo uma forma de economia de futuro adaptável às exigências da técnica e aos desejos matérias da humanidade, e o bloco norte-americano que defende, com todas as limitações que possa ter, o direito à liberdade de que o homem não pode prescindir.
A primeira aproximação teria de se fazer entre a Federação portuguesa e a Federação brasileira, para onde passou, pela massa de população, pelo peso da economia e pela importância no âmbito das decisões americanas e mundiais, o centro de gravidade do mundo de fala portuguesa. É esta uma realidade de que o próprio Brasil se não apercebeu ainda e que é naturalmente mais difícil de entender a gente formada no ambiente limitado do Portugal continental. E é, no entanto, uma realidade de que ambos os países precisam de tomar inteira e rápida consciência, sob pena de nem Portugal nem o Brasil poderem cumprir a sua missão. Têm de se aproximar os dois grandes núcleos, para além de toda a zona de acordos e tratados, que só são de entender quando se lavram entre estrangeiros; no dia em que Portugal se descentralizar e de deseuropeizar, equiparando-se por aí ao Brasil, que também por essa altura poderá ter deixado de ser muito, e às vezes demasiado, seguidor de linhas europeias, quer sejam as europeias da própria Europa, quer sejam as europeias da América do Norte, no dia em que duas Federações sejam originalmente e orgulhosamente tropicais, nesse dia, o que deve existir não é nenhum acordo, sempre de algum aspecto comercial, mas uma inteira união de dois blocos: uma Confederação dos povos de língua portuguesa.
De qualquer modo, a presença do Brasil é desde já indispensável nas terras portuguesas de além-mar. Ninguém sabe quais os caminhos que a História escolherá para se realizar e acontece mesmo muito frequentemente que ela vai por fora do que poderíamos chamar o espaço de inteligência do homem. Pode ser que algum dia, pelas hesitações ou os erros políticos da metrópole ou pelos imprevistos, já mais ou menos previstos, dos acontecimentos europeus, as antigas colónias se tenham de tornar independentes sem o acordo de Portugal metropolitano ou até com sua oposição; nesse momento, que será fatalmente de ressentimentos e de represálias, só a presença do Brasil, sobre o qual não haverá nenhuma suspeita de imperialismo ou de racismo, poderá manter as novas nacionalidades dentro da órbita das tradições da cultura portuguesa e ajudá-las a passar mais rapidamente pelas experiências de autonomia que o próprio Brasil, sem guia algum, teve já de afrontar na sua história.
Depois de se construir uma Confederação de povos de língua portuguesa, o que será possível somente com um Portugal centrado nos trópicos, a tarefa seguinte será a de trazer à sua unidade fundamental o mundo hispânico. Até agora, e salvo intervalos brevíssimos em que, por um motivo ou outro, não tem sido Castela capaz de manter sob o seu domínio os outros povos espanhóis, a Península, exceptuando naturalmente Portugal, tem conservado a sua unidade à custa da sua liberdade. Galiza e Catalunha e o país dos Bascos, para só falarmos dos de maior individualidade, têm sofrido há séculos a ocupação de um país estrangeiro que lhes não tem dado direito ao livre uso de sua língua, de sua literatura, de sua mentalidade; que lhes não tem dado direito ao livre desenvolvimento de sua história; que nunca os deixou colaborar, por serem livres na invenção do vário, numa real unidade de Espanha.
É evidente que se trata em primeiro lugar de lhe reconhecer o direito de voz individual no conjunto espanhol; mas é também evidente que, dadas as características psicológicas dos povos espanhóis e dados os ambientes económicos que pesam sobre a parte central, a liberdade de modo algum significará a concórdia e a possibilidade de um trabalho em comum; toda a tentativa de Castela para manter unidas as outras regiões trará suspeitas das antigas dominações, como toda a tentativa dos recentemente libertados parecerá a seus irmãos uma pura substituição da Meseta. E aqui entra, como meio de solução, o que foi, desde o início da história de Portugal, uma das limitações da sua acção: o afastamento da Galiza; a primeira federação peninsular seria a da Galiza com o Portugal continental, e é à volta desse núcleo que se poderia penar em dispor os bascos e os catalães e a mourisca gente do Sul; Castela só viria por fim, quando já não fosse possível a ninguém a hostilidade ou o receio e pudessem os castelhanos, livremente também, trazer ao conjunto a audácia, a energia e, agora, a construtora e inovadora violência de seu temperamento.
A unidade dos povos espanhóis, ou pelo menos de língua espanhola, da América, com todo o enriquecimento trazido pelas raças indígenas, onde elas puderam escapar da violência das ocupações, terá, como a da Península se faria em torno de Portugal, de se realizar na América em torno do Brasil; processo naturalmente mais longo e mais difícil, porque terá de assentar numa real independência económica de cada uma dessas nações, numa estabilidade de regime político, num “status” interno que traga a seu devido lugar os povos indígenas, e depois na constituição de federações regionais, antes que se possa pensar em qualquer espécie de acção comum. Seja como for, a realização da unidade peninsular e a influência de uma comunidade que abrangeria todos os territórios espanhóis ou de língua portuguesa da Europa, África e Ásia e o Brasil, não poderia deixar de se fazer sentir num sentido agregador e disciplinador sobre os povos hispano-americanos.


[1] In O Estado de S. Paulo, S. Paulo, 27/10/1957.

Sem comentários: