*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Rubem Fonseca, um lobo na estepe








UM LOBO DA ESTEPE



Parece incrível,mas, o mestre Rubem Fonseca está lançando um livro de memórias.

O grande escritor brasileiro, conhecido por ser avesso a publicidadedespertará ,sim,a curiosidade não só de seus leitores fieis como de todos os amantes da literaturae,porque não dizer,de todos os curiosos.

Rubem escreve,porém,não gosta de se expor e até aoslançamentos dos seus livros não comparece,como recentemente na FLIP.

No mundo literário isso não é novidade.Existem outros anacoretas ou quase,como Saramago,HermannHesse,Coetzee que preferem tomar um chá de sossego a enfrentar o público,essemonstro de mil olhos e sete cabeças que define ou não o sucesso de alguém.

O livro em questão chama-se José e embora escrito naterceira pessoa não esconde que opersonagem é o autor,cujo nome completoé José Rubem Fonseca.

Será que Rubem,ummestre nos contos,autor de livrosmemoráveis como “O Cobrador”,”Feliz Ano Novo”,” Agosto” e, recentemente “O Seminarista” desvendará para o mundo suapersonalidade introvertida e nosdeixará invadir esse campo tão defendido do EU do autor?

O livro inicia-se na sua infância em Juiz de Fora, embora seja o mais cariocados mineiros.

Da adolescênciaaté á maturidade, já no Rio, o livro se estende com narrativas da faculdade edo trabalho como advogado criminalista.

Uma época importante ficou escondida :a passagem do escritor peloIPES,Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais,entidade que referendou o golpede 64,dando-lhe suporte e ,dizem alguns,tornando-o possível.Não vejo porqueRubem devesse omitir este fato;afinal,ele era apenas um funcionário, sem poderde mando e execução.

Aliás , a política foi banida completamente ,afora umas breves menções de viagens à Cuba,cujo povo ele pareceu adorar.

Mas, não se deve punir o livro por isso ,pois sua abrangência e interesse superatodos os senões e nos traz momentos de beleza tocante como a morte dos irmãos e bons momentos de humor fescenino.

Entende-se que o homem Rubem Fonseca hesite emdesnudar-se frente ao leitor.O escritornão precisa falar de si mesmo; sua obra fala por si.

Concordo com Rubem que o escritor deve se preservar.A convivência com os nossossemelhantes é impossível nesta guerra de egos e espíritos mesquinhos queparecem viver num estado constante de competição.O escritor é o lobo doescritor.

E ,quanto mais medíocre,mas, competitivo e invejoso.

Quanto aos nossos leitores,um pouco de mistério não faz mal; deixa a imaginaçãodo leitor funcionar também neste campo.

Hesse, o autor do “Lobo da Estepe” ,escreve ao leitor:

“É claro que não posso nem pretendo dizer aos leitores como devem entender minhahistória.Que cada um encontre nela aquilo que lhe possa ferir a corda íntima eo que lhe seja de alguma utilidade.”

Sábias palavras!


*Miriam Sales é escritora e articulista brasileira

Sem comentários: