*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Sobre o agravamento dos juros na Itália e Espanha e a "Moeda CPLP"

O agravamento recente dos juros pagos por Espanha e Itália veio trazer à tona, novamente, a situação absurda que vive a Europa: uma Moeda Única, sem uma única governação económica e financeira e, sobretudo, sem Solidariedade entre os Estados-Membros. Sem eles, a Europa e o "seu" euro estão acabados.

Portugal tem sido muito prejudicado desde 1990, altura em que aderiu à União Monetária que, em 2000, se tornaria no nefasto Euro. Esta moeda cara, feita à medida dos interesses da Alemanha, destruiu boa parte do setor exportador nacional e se nos mantivermos nesta moeda, iremos ser cada vez um protetorado alemão e menos um país independente e soberano.

O agravamento da crise financeira na Espanha e na Itália - em que cada um destes países precisa mais de 400 mil milhões de euros cada - recorda que ter uma Moeda Única sem uma Governação Única é impossível. E cuidado com a "solução" que se começa a cozinhar nos bastidores: a imposição por meios não-democráticos de um "ministério das Finanças" europeu e do fim da capacidade soberana mais fundamental (além da Defesa): a de cobrar impostos.

O euro nao vai resistir à crise espanhola e italiana. A opção de saída unilateral do euro é assim prematura. Esperemos o seu colapso, preparemos e façamos o nosso "trabalho de casa", saneando as nossas finanças, parando com este vício da dívida (que nos faz pedir emprestado 1.3. mil milhões por mês para pagar salários e pensões) e restauremos o nosso setor produtivo.

Portugal tem assim duas opções pós-Euro: ou adere a um novo "euro" dos países periféricos (que a UE pode querer criar) ou recupera a sua soberania monetária. A recuperar a sua soberania (opção que favoreço) tal deve acontecer recriando o Escudo em torno do padrão ouro, por forma a rentabilizar as nossas reservas (ainda as sétimas do mundo) e atribuir a esta nova moeda um valor fiduciário correspondente às nossas reservas em ouro. Portugal pode assim tornar a ser pioneiro, saindo do Euro e regressando ao padrão-ouro dar o exemplo ao resto do mundo.

Mas Portugal pode ir ainda mais longe. Pode aproveitar esse impulso regenerador e criar no mesmo momento uma "Moeda CPLP", ligada umbilicalmente ao padrão-ouro, físico (como o Franco CFA) ou virtual (como era o "ECU" europeu), mas contendo e relacionando-se com as reservas em ouro de todos os países da CPLP.

Sem comentários: