*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

domingo, 31 de julho de 2011

BPN fica em mãos angolanas

O governo português tinha o dia 31 de Julho como prazo limite para decidir a quem entregar o Banco Português de Negócios. Era uma das imposições da troika que negociou o resgate financeiro de Portugal.
O governo decidiu no último dia do prazo vender o BPN ao banco angolano BIC por 40 milhões de Euros.

A proposta de aquisição de 100% das ações do BPN pelo Banco BIC é de 40 milhões de euros, a realizar na data de transmissão das ações.

Adicionalmente, caso o banco apresente um resultado acumulado líquido de impostos superior a 60 milhões de euros ao final de cinco anos após a data da transação, será pago ao vendedor uma percentagem de 20 por cento sobre o respetivo excedente, a título de acréscimo de preço, frisa o comunicado.

Estas são, para já, as condições conhecidas. Adicionalmente, Mira Amaral, presidente do Banco Bic Portugal, disse num canal televisivo que o banco irá manter 750 dos 1.600 trabalhadores, ficando a cargo do Estado português os custos com as indemnizações dos colaboradores dispensados.

O Ministério das Finanças refere ainda que a recapitalização do BPN, a efectuar antes do fecho do negócio, "ascenderá a cerca de 550 milhões de euros". Assim, "considerando também o esforço já realizado pelo Estado com a criação e a transferência de activos para as sociedades Parvalorem, S.A., Parups, S.A. e Parparticipadas, S.A., o total do custo do Estado com o BPN, descontado do preço de venda, ascende nesta data a cerca de 2,4 mil milhões de euros".

Recorde-se que o BPN foi nacionalizado em 2008 pelo governo de José Sócrates depois de terem sido detectadas graves irregularidades financeiras, ainda sob investigação criminal. Segundo o governo de então a nacionalização seria a melhor opção para evitar que a falência deste banco pudesse provocar uma situação de contágio nos restantes bancos portugueses. A SLN, sociedade até então detentora do BPN continua a sua actividade de grupo de investimento em vários sectores da economia portuguesa com grande sucesso e sempre em crescimento.

Segundo as últimas contas do Ministério das Finanças, o custo do BPN para os contribuintes portgueses é de 2,4 mil milhões de Euros.

O Núcleo Estratégico de Investidores (NEI), uma das entidades que estava na corrida à compra do Banco Português de Negócios (BPN), reforçou o valor da sua proposta na sexta-feira, para um montante que ultrapassa os 100 milhões de euros.
Mesmo assim o Ministério das Finanças decidiu dar preferência à oferta do BIC alegando que a decisão de optar por uma proposta feita por uma instituição de crédito "devidamente autorizada e a exercer a sua actividade em Portugal", assegura "a continuidade da actividade do BPN e tem em consideração a defesa dos interesses dos depositantes".

Fundado em Janeiro de 2008, o Banco BIC Português apresenta-se como o único banco privado angolano em Portugal.

Com sede em Lisboa, o BIC português tem a mesma estrutura accionista do Banco BIC (Angola).

Tem como CEO Fernando Teles e fazem parte do conselho de administração Isabel dos Santos - filha do presidente de Angola, José Eduardo dos Santos -, bem como o empresário Américo Amorim, o homem mais rico de Portugal segundo a revista "Forbes", que possui cerca de 25 por cento das acções do Banco BIC.

Fonte: Notícias Lusófonas

Sem comentários: