*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/


E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono


Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 20 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por 100 pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL e participar neste blogue, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

4º Aniversário do MIL | Lançamento da NOVA ÁGUIA 14 | 15 de Outubro de 2014

4º Aniversário do MIL | Lançamento da NOVA ÁGUIA 14 | 15 de Outubro de 2014
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

terça-feira, 12 de Janeiro de 2010

"O país da árvore": para a Fata Morgana, para o Casimiro e para o Ruela...

"Toda gente está com muito medo de que o país seja invadido pela árvore. Absurdo! Em primeiro lugar, Portugal, pelo seu clima e pela natureza do solo, é, fora um ou outro raro lugar, o país da árvore. Então de que é que as pessoas estão, os melhores estão com medo, não é da árvore, é de certas árvores. Se, por exemplo, o mundo continuasse consumindo muito azeite, os portugueses achariam muito bem que a oliveira fosse plantada em Portugal, quanto mais oliveiras houvesse, mais azeite se podia vender. Simplesmente, o mundo hoje não está comendo azeite, tem outros óleos, melhores para a saúde que o azeite, embora não tão gostosos, mas melhor para a saúde e é isto que se vai fabricar, evidentemente. Então eles o que querem? Houve agora um Congresso a que vieram representantes da Finlândia e de outros países e tal, que já sabem o que querem fazer de Portugal - querem fazer um país da árvore. De que árvore? Pinheiros - madeira para construção, para tudo o que for preciso fazer de não grande importância e não grande resistência; eucalipto - para papel; choupo - para fazer fósforos, embora já haja fósforos feitos de papel, parece que de madeira são melhores. Por exemplo, grande parte de região de Mondego, das planícies do Mondego, lá para o lado da Figueira da Foz e Coimbra, já está sendo plantada de choupo para os fósforos, a sociedade dos fósforos está tomando conta daquela coisa. E há eucaliptos, bem, e já estão a dizer, nesse Congresso, que a grande coisa para Portugal era ser uma fábrica de massa de papel. Muito bem. Diz-se pois: massa de papel, poluindo o rio e com cheiro que tem - é pois, verdade. Mas porque é que a massa de papel polui o rio? Porque com a mira de lucro, com o ardor de ganhar mais dinheiro, não se aplica nenhuma das coisas que se poderia aplicar para não haver poluição nenhuma. É, se o ar está envenenado por ácidos e se as águas estão todas manchadas, de maneira que os peixes morrem, é porque os donos das fábricas, as empresas sem nenhuma espécie de consciência do geral, o que querem é acumular lucro e investir, fazer fábricas maiores, não porque não tenhamos já à nossa disposição todos os meios necessários para que isso não suceda no mundo, para que o mundo não se suje. Há maneiras de limpar as fábricas. Por outro lado, a fabricação de papel pode portanto ser domesticada e podemos fornecer o papel para os outros escreverem se quiserem. Não é que tenha uma grande paixão por ver o mundo ilustrado de revistas idiotas e de jornais mais idiotas ainda, mas isso não quer dizer que o jornal ou a revista não possam servir para coisas que não são idiotas."

Agostinho da Silva, inédito.

Consulte outros textos on-line em:
http://www.agostinhodasilva.pt/

3 comentários:

Ruela disse...

Desconhecia este texto,
penso exactamente o mesmo...



Abraço.

Morgana La Folle disse...

Sempre gostei do Agostinho da Silva. Não conhecia o texto, mas reconheço o modo de (des)emaranhar o novelo... tão querido.
Obrigada, Renato.

Abraço.

Fata Morgana

Casimiro Ceivães disse...

Uma patusca trindade para o excelente Agostinho :)

Obrigado, Renato! O texto, claro - pois é isso mesmo...